Chanceler palestino contrabandeia US$ 20 milhões em mala

Uma mala com US$ 20 milhões. Foi com essa bagagem inusitada - para dizer o mínimo - que o chanceler palestino, Mahmoud Zahar, do grupo islâmico Hamas, atravessou nesta terça-feira a fronteira do Egito com a Faixa de Gaza, segundo autoridades das forças de segurança palestinas. Este está se tornando um modo corriqueiro de o governo do premiê Ismail Haniye, do Hamas, conseguir levar recursos para os territórios palestinos, driblando as sanções econômicas impostas pela comunidade internacional à Autoridade Palestina desde que Haniye assumiu, em março, e bloqueio de bancos com medo de irritar os Estados Unidos. Zahar teria declarado o dinheiro no lado egípcio da fronteira. Mas, de acordo com Maria Telleris, porta-voz do grupo de observadores europeus que atuam na região, não mencionou a valiosa bagagem no lado palestino. Nos últimos meses, ele transportou enormes quantias de dólares - principalmente doações de países árabes - através da passagem que liga Gaza ao Egito, apesar de o caminho ser controlado pela guarda ligada ao presidente Mahmud Abbas, do partido rival, o laico Fatah. Há alguns dias, admitiu ter recebido US$ 120 milhões do Irã. Embargo O boicote à Autoridade Palestina tem como objetivo pressionar o Hamas - que desde o início do ano domina o governo palestino - a reconhecer o Estado de Israel e renunciar à violência. Em vigor há nove meses, ele interrompeu o fluxo de milhares de dólares para a região, levando à deterioração das condições econômicas dos territórios palestinos. O pagamento dos 165 mil funcionários públicos teve de ser suspensos e escolas e hospitais públicos passaram a funcionar de forma precária. Israel concordou nesta terça com o envio para a Faixa de Gaza de uma força de segurança leal ao presidente palestino Mahmud Abbas, do Fatah. O pedido para enviar mais de mil soldados das Brigadas Badr, com sede na Jordânia, para a região teria sido feito pelo próprio Abbas, segundo um diplomata israelense. O objetivo seria ajudar garantir a manutenção do cessar-fogo que vigora na Faixa de Gaza desde domingo. Em visita a um dos trechos da cerca que Israel está construindo na Cisjordânia, o ministro da Defesa israelense, Amir Peretz, disse que seu país está disposto a dar uma chance à trégua, apesar de alguns militantes palestinos terem conseguido lançar alguns foguetes sobre o território israelense para rompê-la.

Agencia Estado,

28 Novembro 2006 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.