Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Chanceler venezuelano critica a imprensa de seu país

O chanceler venezuelano, Roy Chaderton, disse nesta segunda-feira que em seu país existe uma verdadeira ditadura da imprensa. Durante discurso na Assembléia Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), ele criticou duramente os meios de comunicação venezuelanos, aos quais acusou até mesmo de racismo. "Na Venezuela existe uma ditadura da mídia", disse.?É vergonhoso saber que durante a nossa última ditadura a televisão privada da Venezuela tinha programas melhores, em contraste com a programação medíocre de hoje." Segundo ele, no dia 13 de maio do ano passado, a TV venezuelana transmitia programação infantil ?enquanto multidões se lançaram às ruas para pedir a volta do presidente derrubado", no fracassado golpe contra o presidente Hugo Chávez.Ele acusou também a imprensa de apresentar "formas encobertas e descobertas de racismo". "Vocês não encontrarão na Venezuela âncoras de jornais nem apresentadores de programas de opinião de cor negra ou mestiça, em um país onde temos gente de todas as cores e classes", disse.O chanceler criticou especialmente o tratamento que, segundo ele, os meios de comunicação dão a funcionários do governo "de pele morena ou negra, chamando-os claramente de macacos e chimpanzés". A imprensa foi o tema central do discurso de Chaderton. Ele disse que "a Venezuela se transformou no laboratório onde se confrontam os direitos democráticos básicos e a ditadura da mídia".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.