Charles é o segundo mais rico da família real

O príncipe Charles da Grã-Gretanha - que está em visita oficial ao Brasil - possui uma fortuna avaliada em mais de US$ 500 milhões, por receber anualmente de sua mãe, a rainha Elizabeth II, US$ 10,8 milhões, revelou hoje o jornal britânico The Times. A fortuna do príncipe de Gales está vinculada ao ducado da Cornualha, ao sul do país, onde se encontra o palácio privado do filho da rainha, conhecido com Highgrove e avaliado em mais de US$ 15 milhões. Charles seria o segundo membro da família real britânica mais rico do país, logo após Elizabeth II - que, por sua vez, possui uma fortuna pessoal superior a US$ 1,5 bilhão em jóias, quadros e propriedades em todo o mundo.A princesa Anne, irmã de Charles, recebe de sua mãe US$ 392 mil por ano para realizar seu trabalho dentro da família real, enquanto o príncipe Edward de Wessex recebe US$ 204 mil anualmente, somados aos US$ 70 mil que acumula com as rendas de sua propriedade real.Críticos e opositores da realeza consideram desnecessários os pagamentos feitos pela rainha aos membros de sua família e acreditam que o povo da Grã-Bretanha deveria deixar de sustentar as despesas de uma família com pouca utilidade para o Estado, com palácios e mansões exclusivas para seu descanso e festas privadas.Jubileu de OuroEste ano, a rainha Elizabeth II comemora os 50 anos de seu reinado e Downing Street já antecipou que os festejos pelo Jubileu de Ouro não terão a mesma magnitude das comemorações pelo Jubileu de Prata em 1977, devido à falta de entusiasmo do povo britânico. Ontem, o primeiro-ministro inglês, Tony Blair, em declarações a uma rádio australiana, prometeu que o país manterá a monarquia. "Creio que a população preza muito a rainha", respondeu Blair diante de uma pergunta sobre um eventual fim da monarquia na Inglaterra. "Os britânicos conservarão a monarquia. Sempre pensei assim. Minha geração sente um grande respeito pela rainha e temos uma clara posição constitucional: a rainha, como chefe de Estado, goza de um enorme apoio e afeto por parte da população", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.