Chávez acena com anistia para militares rebelados

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, disse que, no âmbito de um pacto de reconciliação, poderia conceder anistia aos militares que, há dez dias, se rebelaram contra ele e permanecem concentrados numa praça de Caracas."Não temos nenhuma intenção de que esse grupo de militares se afunde numa prisão", disse. Chávez afirmou também que não teme submeter seu mandato a um plebiscito, desde que a convocação da consulta seja constitucional e não por "capricho ou interesse" de seus adversários.O embaixador americano, Charles Shapiro, qualificou de "preocupante" a intervenção de militares no processo político, mas lembrou que ela começou há dez anos, quando Chávez, então tentente-coronel, liderou uma rebelião contra o governo de Carlos Andrés Pérez.Em Washington, o subsecretário de Estado americano Otto Reich disse que "é tempo de resolver a crise política na Venezuela de modo pacífico e democrático, através de eleição".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.