Chávez acusa Colômbia e EUA de 'conspiração'

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, anunciou na madrugada de ontem que foram dois os supostos agentes do Departamento Administrativo de Segurança da Colômbia (DAS) presos no país na terça-feira fazendo espionagem. O anúncio foi feito durante um discurso agressivo na TV oficial, que aumentou ainda mais as tensões entre Bogotá e Caracas. O presidente venezuelano disse que os colombianos estariam participando de um plano dos Estados Unidos para desestabilizar seu governo.

AE, Agencia Estado

29 de outubro de 2009 | 07h53

"(Os agentes)foram capturados com a mão na massa", afirmou Chávez, acrescentando que os supostos espiões serão submetidos a tribunais venezuelanos. Na terça-feira, o diretor do DAS, Felipe Muñoz, disse que nenhum de seus agentes estava trabalhando na Venezuela e não sabe quem o país vizinho prendeu. "Realmente não sabemos do que se trata", afirmou Muñoz.

O governo venezuelano não revelou a identidade nem o local onde os supostos espiões foram detidos. Mas se empenhou para acentuar o perfil conspiratório do episódio, que tende a aprofundar o desgaste da relação bilateral, congelada desde meados deste ano.

Primeiro, Chávez lembrou que, no final de 2004, agentes colombianos cruzaram a fronteira para "sequestrar" Rodrigo Granda, guerrilheiro conhecido como o chanceler das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). Depois, insistiu que essas atividades do DAS na Venezuela são recorrentes e, neste momento, teriam sido reforçadas em função da assinatura, prevista para amanhã, do novo acordo militar entre a Colômbia e os EUA.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.