Chávez acusa EUA de "atropelo imperialista"

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse, nesta sexta-feira, que a recusa dos Estados Unidos em que a Espanha utilize tecnologia americana nos aviões que vendeu à Venezuela é um "atropelo imperialista".Os comentários vieram após a embaixada dos EUA anunciar que tinha negado a permissão para a negociação, citando preocupação a respeito do governo venezuelano que estava "se transformando em um país autocrático e antidemocrático". "O que será isso senão uma evidência de um imperialismo horrendo que o governo em Washington quer empregar no mundo?", disse Chávez, enquanto lia as notícias à respeito das ações dos EUA e se dirigia à Assembléia Nacional.A lei dos EUA autoriza o governo a impedir um país de transferir a um terceiro equipamento militar comprado nos Estados Unidos. Chávez chamou as preocupações dos EUA de "ridículas". Nesta sexta-feira, a Espanha falou que não compartilha das mesmas preocupações dos EUA e irá continuar com as negociações, retirando os equipamentos americanos e colocando similares vindos de outro lugar.A Espanha concordou, em novembro, em vender à Venezuela os aviões e oito barcos de patrulha por ?1.7 bilhões (US$2 bilhões). Este será a maior negociação militar na história da Espanha, envolvendo 10 aviões de transporte modelo c-295 e dois aviões de patrulha CN-235, e também quatro barcos de patrulha para alto-mar e quatro barcos de patrulha costeira. "Um novo ataque contra a Venezuela é somente o começo", disse Chávez. Se referindo ao presidente americano, George W. Bush, Chávez adicionou que "o Sr. Perigo irá perder contra a força da verdade e a força da moralidade". "Apesar de ser democraticamente eleito, o governo do presidente Hugo Chávez está, sistematicamente, desmoralizando as instituições democráticas, pressionando e oprimindo a mídia independente e a oposição política", disse a embaixada americana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.