Ehsan Naderipour/Reuters
Ehsan Naderipour/Reuters

Chávez ajudou a libertar americanos detidos no Irã após pedido de Sean Penn

Presidente venezuelano disse ter intermediado processo e se diz 'muito contente' com libertação

EFE

30 Setembro 2011 | 10h32

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira, 29, que, após um pedido feito pelo ator americano Sean Penn, intermediou junto ao líder iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, a libertação de dois americanos condenados no Irã por espionagem.

Veja também:

Chávez assegurou que está "muito contente" pela libertação, no último dia 21, de Shane Bauer e Josh Fattal, condenados por espionagem e detidos no Irã há dois anos, e afirmou que convidou os dois jovens a visitarem a Venezuela, porque, assinalou, "parece que gostam de excursões".

"Sean Penn veio aqui, me falou destes jovens, me explicou quem são, e eu, cumprindo com o pedido do amigo que é Sean Penn, sabendo de sua seriedade, me dirigi diretamente ao presidente Ahmadinejad", assinalou o presidente aos jornalistas.
 
"Liguei para ele (Ahmadinejad), mandei uma pequena carta e pedi que considerasse a situação. É preciso respeitar muito as questões de cada país. Se isso ajudou em alguma coisa, estou contente", disse, ao explicar que conversou com os dois jovens há poucos dias em um encontro que mantiveram com o chanceler venezuelano, Nicolás Maduro, em Nova York.
 
Bauer e Fattal foram detidos em 31 de julho de 2009 junto a sua companheira Sarah Shourd quando aparentemente percorriam uma trilha em uma zona do Curdistão onde a fronteira entre Irã e Iraque ainda é objeto de disputas.
 
Os três excursionistas, que insistem em sua inocência, asseguram que se perderam e que em nenhum momento tinham a intenção de entrar em território iraniano.
 
Sarah foi liberada mediante o pagamento de uma fiança de US$ 500 mil no ano passado.
 
Após a libertação dos americanos, o Ministério das Relações Exteriores do Irã emitiu um comunicado indicando que a decisão da liberá-los se deveu à intermediação de vários países, um deles a Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.