Chávez ameaça expropriar áreas de especuladores

Propriedades privadas utilizadas apenas para a especulação imobiliária poderão ser ?expropriadas?, ameaçou o presidente venezuelano, Hugo Chávez. "Podemos aplicar o que se chama de expropriação para uso público", disse Chávez, que há quatro anos iniciou um amplo programa de reformas, agrária e urbana, qualificado de comunista pela oposição.O presidente venezuelano, revigorado pelo triunfo eleitoral sobre seus opositores - que fracassaram na tentativa de removê-lo do poder por meio de um referendo no dia 15 -, declarou que a Constituição da Venezuela permite a expropriação. A Carta, promulgada por iniciativa de Chávez em 1999, estabelece a concepção de sua "revolução bolivariana", com a qual pretende reduzir o abismo social entre os ricos e os mais de 80% de pobres da população venezuelana.Sob a Constituição, "a expropriação de qualquer tipo de bem, por meio de sentença judicial e justo pagamento, pode ser declarada apenas por razões de uso público ou interesse social". Propriedades particulares ociosas nas cidades, que membros da elite mantêm para fins de especulação, estão sujeitas à expropriação, advertiu Chávez.Membros da oposição afirmam que terrenos no interior e nas cidades estão sendo invadidos com freqüência, sob o olhar complacente das autoridades. Na visão desses opositores, o governo de Chávez viola o direito de propriedade enquanto empurra a Venezuela na direção de um regime comunista ao estilo do de Fidel Castro - ídolo político e amigo do presidente venezuelano. Chávez desmente essas alegações, argumentando que sua revolução tem orientação humanista, e não comunista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.