Chávez ameaça intervir na Polícia de Caracas

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez disse neste domingo que irá tomar providências se a polícia metropolitana de Caracas continuar reprimindo a população. Na última sexta-feria, depois de protestos, Chávez mandou a polícia metropolitana se retirar das ruas e ordenou sua substituição por uma divisão da guarda nacional. "Eles estão utilizando setores da polícia metropolitana, como cães, para reprimir selvajemente a população", disse Chávez no discurso de seu programa de televisão. O presidente afirmou que vai tomar providências contra este grupo policial que conta com o apoio da oposição. "Não podemos permitir que, no lugar de assegurar a ordem pública, continuem provocando a população. Aviso as autoridades da PM para que guardem as armas, se não estarei obrigado pela Constituição a tomar providências sobre o assunto." Chávez disse também que havia proibido um helicóptero da polícia metropoliatana de sobrevoar a cidade, quando soube que a aeronave lançava bombas de gás contra os revoltosos. Não é a primeira vez que Chávez ameaça intervir na Polícia Metropolitana. A PM, sob o comando do prefeito Alfredo Peña, um dos mais ferrenhos opositores de Chávez, foi acusado na sexta-feira pelo vice-presidente venezuelano, José Vicente Rangel, de "reprimir" os cidadãos, e pediu uma investigação "exaustiva". Peña rechaçou as críticas, apoiou os policiais e acusou o governo de Chávez de promover os distúrbios na capital.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.