Chávez amplia emergência energética por mais 60 dias

Chávez amplia emergência energética por mais 60 dias

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, firmou ontem um decreto prorrogando a emergência energética no país por mais 60 dias, informa o jornal local El Nacional em seu site. A norma entra em vigor hoje, segundo Chávez, que falou durante reunião ministerial. Chávez disse que seu objetivo era "seguir derrotando a emergência elétrica no país". O presidente afirmou que a meta principal do decreto é manter os investimentos no setor para superar a crise. Garantiu ainda que as medidas até agora tomadas pelo governo têm sido eficazes.

GABRIEL BUENO, Agência Estado

09 de abril de 2010 | 13h33

A Venezuela foi atingida por uma forte seca, que diminuiu muito os níveis dos reservatórios das hidrelétricas - o país é bastante dependente dessa modalidade de produção de energia. A oposição e especialistas, porém, criticam a falta de investimentos no setor para evitar uma crise do tipo, que tem afetado a economia local. O primeiro tratado de emergência elétrica foi firmado por Chávez em 8 de fevereiro, segundo o El Nacional. No mesmo dia, o líder anunciou a criação do Estado-Maior Elétrico, um grupo de altos funcionários para gerenciar e superar a crise.

Em entrevista publicada na agência estatal ABN, o ministro de Energia Elétrica, Ali Rodríguez, descartou um colapso do setor elétrico na Venezuela. "Podemos afirmar que a política e os planos aplicados pelo governo têm resultados eficazes", disse o ministro. Além disso, as chuvas já retornaram ao país e a previsão é que os níveis dos reservatórios subam gradualmente.

Entre as medidas previstas no decreto está a construção de várias termoelétricas. No auge da crise, houve racionamento em indústrias e também foi afetada a distribuição de energia em várias cidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.