Chávez aposta alto em reduto opositor

Um dos principais troféus eleitorais de domingo, Zulia é alvo da campanha mais pesada do líder venezuelano

Ruth Costas, MARACAIBO, VENEZUELA, O Estadao de S.Paulo

19 de novembro de 2008 | 00h00

Não é difícil entender por que, na reta final para as eleições regionais de domingo, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, está gastando tanta energia com o Estado de Zulia, cujos líderes são hoje o alvo preferencial de suas ameaças. Quartel-general da oposição, Zulia é o retrato de uma outra Venezuela. Como definiu o próprio Chávez em um comício: uma Venezuela onde a sua "revolução bolivariana" ainda não começou. "Vamos converter Zulia em uma terra maravilhosa, em uma terra socialista", proclamou o presidente no fim de semana, na sua quinta viagem à região para impulsionar a candidatura do candidato do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) ao governo do Estado, Gian Carlo Di Martino. "Vamos varrer (Manuel) Rosales daqui", completou, referindo-se ao governador da região e o principal líder da oposição e o centro dos ataques. Esse é um dos dois Estados onde os adversários de Chávez venceram na votação regional de 2004 - o outro é Nueva Esparta, onde fica o balneário de Isla Margarita.Por seu peso econômico e populacional, Zulia é certamente o mais importante: é responsável por 80% da produção de petróleo venezuelana e 80% de todos os produtos agropecuários nacionais consumidos na Venezuela. Na margem ocidental do maior lago da América Latina, a sua capital, Maracaibo, também é a segunda mais populosa do país, depois de Caracas, com 3,2 milhões de habitantes. "Para o presidente é uma questão de honra quebrar essa hegemonia da oposição em Zulia", disse ao Estado a cientista política Ruth Guerrero, especialista em marketing político da Universidade Rafael Urdaneta, em Maracaibo. "Nessas eleições regionais, a oposição está tentando conseguir mais espaço conquistando Estados como Carabobo e Sucre ou a prefeitura de Caracas. Para Chávez, a maior de todas as vitórias simbólicas seria conseguir que seus candidatos conquistassem cargos em Zulia." O desafio é grande. No sábado até um "círculo bolivariano" da região resolveu dar seu apoio para candidatos opositores, alegando ter sido marginalizado pelo PSUV. Segundo pesquisas, Rosales é o preferido na disputa pela capital (75% das intenções de voto) e seu candidato, Pablo Pérez, lidera a corrida pelo governo estadual (59%). Mas os aliados do presidente têm chances em municípios como San Francisco. Vitórias chavistas são raras, mas não impossíveis, pois o atual prefeito de Maracaibo é justamente Di Martino, que disputará o governo. Nas ruas da capital, cartazes dos dois grupos disputam qualquer pedaço de muro. Onde não há propaganda de Rosales e Pérez, há fotos de Chávez e Di Martino. Os comícios governistas, numerosos na região, fazem parte de uma estratégia para tentar ligar a imagem dos candidatos à de Chávez e garantir que seus simpatizantes no Estado saiam de casa para votar.?ENTRAVE PARA A REVOLUÇÃO?"A oposição conseguiu bloquear o avanço da revolução por muito tempo aqui em Zulia", disse Di Martino ao Estado. "Agora estamos mostrando para todos que é preciso avançar no projeto socialista."A estratégia adotada por Chávez, no entanto, tem pontos arriscados. O principal deles são as ameaças contra os líderes opositores e o tom agressivo de seus discursos mais recentes. Nos últimos dias, ele dedicou grande parte de seu espaço na TV para acusar Rosales dos mais variados crimes: ligações com o tráfico, enriquecimento ilícito, conspiração para derrotá-lo e o uso dos recursos públicos para financiar opositores em outros Estados.Com base nessas denúncias, o presidente promete fazer de Rosales o "preso número 001 de 2009". Ele também ameaça cortar os recursos para a região caso a oposição vença. "Estou sem salário há dois meses e sei que a culpa é de Chávez porque não repassa o dinheiro que é nosso região por direito", disse ao Estado um policial que não quis ser identificado. "Não acho que ele consiga muitos votos por aqui se continuar com tantas agressões."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.