Chávez ataca EUA por anularem visto de embaixador

A crise envolvendo os Estados Unidos e a Venezuela se acentuou ontem com o governo do presidente Hugo Chávez acusando a Casa Branca de "imperialista e agressiva" ao decidir revogar o visto do embaixador venezuelano em Washington. "Nós rechaçamos esta medida da maneira mais categórica porque é um ato evidente de retaliação dentro da dinâmica de agressão contra este país", afirmou Roy Daza, presidente da Comissão de Política Externa da Assembleia Nacional, em Caracas, e aliado de Chávez.

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2010 | 08h52

Segundo o deputado, "parece que as posições mais duras dentro do governo do presidente Barack Obama se impõem, como as iniciativas para se envolver em assuntos internos (da Venezuela)". "A razão dessa estratégia é a de manter uma mentalidade imperial que domina a política do EUA", disse.

Na quarta-feira, os EUA decidiram revogar o visto do embaixador da Venezuela em Washington, Bernardo Álvarez. A medida foi uma reação à rejeição de Hugo Chávez ao diplomata Larry Palmer, nomeado pelo governo Obama como novo embaixador norte-americano em Caracas.

Chávez se irritou com declarações de Palmer, que acusou a Venezuela de ter ligações fortes com a guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e de haver um aumento da influência cubana nas Forças Armadas venezuelanas.

Charles Luoma-Overstreet, porta-voz do Departamento de Estado para assuntos latino-americanos, disse que os EUA "haviam alertado o governo venezuelano de que haveria consequências proporcionais, incluindo a revisão do status dele (do embaixador)".

Questionado se o embaixador deveria sair de Washington, ele respondeu que, de acordo com informações do governo norte-americano, Álvarez não está nos EUA. "Nossa decisão o impede de retornar aos EUA como embaixador", afirmou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.