Divulgação/Cubadebate/Reuters
Divulgação/Cubadebate/Reuters

Chávez buscará reeleição em 2012, diz ministro venezuelano

Em Cuba para tratamento, presidente tenta acabar com dúvidas sobre seu estado de saúde

estadão.com.br,

18 de julho de 2011 | 13h12

Atualizado às 13h54

 

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, vai buscar a reeleição em 2012, disse nesta segunda-feira, 18, o ministro das Finanças do país, Jorge Giordani, ao canal estatal VTV.

 

Veja também:

linkChávez diz que está começando 'batalha pela vida'

linkPresidente volta a Cuba para tratamento contra câncer

 

Em Cuba desde o sábado para continuar o tratamento contra o câncer e submeter-se à quimioterapia, Chávez procura acabar com dívidas sobre seu estado de saúde com o anúncio.

 

As declarações do ministro reafirmam a postura do governo, do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV, legenda de Chávez) e do próprio presidente de que a doença não altera os planos com relação às eleições.

 

Ainda não há data marcada para a votação, mas de acordo com a Efe as eleições devem ocorrer em dezembro do ano que vem. Caso seja eleito, Chávez, que está no poder desde 1999, entrará em seu quarto mandato como presidente.

 

O presidente venezuelano foi recebido pelo colega cubano Raúl Castro em Havana no sábado. Ele não anunciou quanto tempo ficará na capital de Cuba. Chávez começa uma segunda fase no tratamento contra o câncer depois de ter sido operado duas vezes, também em Cuba, para a extração de um tumor cancerígeno.

 

'Muitíssimos anos mais'

 

"Acredito que não há dúvidas de que nas eleições de 2012 (o presidente) vai estar presente e depois por muitíssimos anos mais", disse Giordani em entrevista ao canal de TV estatal.

 

Giordani assumiu, ao lado do vice de Chávez, Elías Jaua, algumas das funções de governo durante a ausência do presidente. Também nesta segunda, o ministro disse que recebia as novas responsabilidades "com modéstia" e explicou que o fazia "para que o presidente melhore, se recupere rapidamente e siga dirigindo este país".

 

O ministro disse ainda que a Venezuela deve adotar medidas fiscais, mas segundo a Reuters, ele não deu detalhes a respeito.

 

Com Reuters e Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.