Chávez cancela encontro com Dilma por problemas no joelho

Presidente venezuelano, que viria a Brasília nesta terça, terá de fazer 'repouso absoluto'.

Claudia Jardim, BBC

09 de maio de 2011 | 22h33

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, cancelou sua visita a Brasília, prevista para esta terça-feira, devido a uma lesão no joelho, que deve deixar o mandatário longe de atividades públicas nos próximos dias.

"Antes de pegar o avião (rumo a Brasília) fui trotar e bati o joelho, há derrame de líquido, inflamação e dor", afirmou Chávez por telefone ao canal de TV estatal venezuelano.

"(Os médicos) me deram repouso absoluto por vários dias", acrescentou o mandatário. Ele disse que arrasta o problema no joelho desde o tempo em que era para-quedista no Exército venezuelano. Não está claro se o presidente será submetido a cirurgia para tratar o problema.

Essa seria a primeira visita oficial de Chávez ao Brasil desde a posse da presidente Dilma Rousseff. De acordo com diplomatas venezuelanos, os presidentes devem dar continuidade aos encontros trimestrais realizados entre Chávez e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para avaliar o andamento da agenda bilateral.

No encontro, a presidente e o colega venezuelano deveriam reavaliar a agenda comercial e regional e assinar novos acordos nas áreas de moradia, agricultura e indústria.

Por meio de uma nota oficial, o Itamaraty informou que a nova data para a visita de Chávez ao Brasil "será acordada tão logo se conclua o restabelecimento do mandatário venezuelano" e agregou que o chanceler Antonio Patriota receberá seu par venezuelano, Nicolás Maduro (já em Brasília), nesta terça, "para examinar os principais temas das agendas bilateral e regional".

Equador e Cuba

Chávez também cancelou as visitas ao Equador e Cuba, previstas no giro presidencial.

Depois do anúncio na TV, milhares de seguidores do presidente enviaram mensagens de apoio via Twitter com a frase palante, Comandante (pra frente comandante, em tradução livre).

Chávez, que tem mais de 1,5 milhões de seguidores na rede social, agradeceu "a toda a Candanga (como chama a seus seguidores) por tanta solidariedade".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.