Chávez: caso de juíza pode ser revisado nos tribunais

O caso da juíza venezuelana María Lourdes Afiuni, que muitas organizações internacionais afirmam que está sendo mantida em prisão domiciliar por razões políticas, poderia ser revisado, disse o presidente Hugo Chávez no fim da sexta-feira.

AE, Agência Estado

14 de janeiro de 2012 | 15h27

Afiuni foi presa em dezembro de 2009, acusada de corrupção, e está em prisão domiciliar há quase um ano por problemas de saúde. Ela ainda não foi julgada, mas autoridades venezuelanas afirmaram que o mandado de prisão contra ela foi ampliado por mais dois anos, no dia 13 de dezembro. A medida gerou críticas internacionais, inclusive das Nações Unidas e do famoso linguista e ativista político de esquerda norte-americano Noam Chomsky.

Chávez disse que o caso não estava sob seu controle, mas garantiu que poderia pedir, como chefe de Estado, uma revisão. "Ela não é uma prisioneira política, verdadeiramente. Agora, se ela está doente, então o caso precisa ser estudado", disse ele durante discurso na Assembleia Nacional.

O presidente socialista disse que não há prisioneiros políticos na Venezuela.

Afiuni foi presa após conceder liberdade condicional a um rico banqueiro acusado de burlar as estritas regras de controle do câmbio do país. Segundo a magistrada, o banqueiro Eligio Cedeño deveria ser libertado, pois não havia sido julgado e estava havia 34 meses detido. A decisão de soltar Cedeño, que acabou fugindo para os EUA, enfureceu Chávez. O presidente insinuou que havia algum tipo de acordo ilegal entre o réu e a juíza e que a magistrada poderia pegar 30 anos de prisão.

Em carta aberta no mês passado, Chomsky pediu que o governo venezuelano liberte a juíza, dizendo que não há garantias de que ela esteja recebendo um julgamento justo. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.