Chávez confirma que tumor retirado é maligno

Presidente venezuelano anuncia resultado de análises e diz que será submetido a mais uma rodada de radioterapia em Havana nas próximas semanas

HAVANA, / AP, O Estado de S.Paulo

05 de março de 2012 | 03h05

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, confirmou ontem que o tumor retirado de sua região pélvica na semana passada é maligno e uma recidiva daquele extraído no ano passado. Chávez, que está em Havana, declarou em comunicado especial pela emissora estatal VTV que precisará se submeter a uma radioterapia "nas próximas semanas".

Chávez disse que o novo tumor foi extraído completamente e os exames não apontaram para a possibilidade de metástase. "A evolução médica e os sinais vitais são muito favoráveis", declarou. O presidente disse estar otimista, apesar de indicar que ainda permanecerá algum tempo longe de Caracas para tratamento.

"Depois desta etapa inicial de recuperação, que será de várias semanas, vamos fazer um tratamento de radioterapia", disse. Ele acrescentou que os médicos não descartam a hipótese de "outras opções de tratamento."

O comunicado exibido pela VTV foi gravado no sábado. Além de Chávez, aparecem em Havana vários de seus ministros e seu irmão, Adán. O presidente exibiu a capa do jornal estatal cubando Granma para comprovar a data de gravação.

Depois de comentar a doença e negar qualquer complicação pós-operatória, Chávez aproveitou para enviar uma mensagem de apoio ao presidente da Síria, Bashar Assad. "Continuamos a lamentar as agressões contra a Síria", disse, referindo-se à pressão do Ocidente e da Liga Árabe para que cesse a repressão violenta aos opositores que já deixou mais de 7.500 mortos.

"Enviamos daqui nossa solidariedade ao povo sírio e ao presidente Bashar Assad", concluiu Chávez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.