Chávez ''confisca'' corpos de exposição

Para líder, mostra é ?decomposição moral?

Rory Carroll, THE GUARDIAN, CARACAS, O Estadao de S.Paulo

11 de março de 2009 | 00h00

Hugo Chávez é famoso pela estatização de fazendas, fábricas e poços de petróleo, mas sua mais recente expropriação pode ser considerada bizarra. O presidente da Venezuela ordenou o fechamento de uma exposição de corpos dissecados e plastificados em Caracas e confiscou todo o material da mostra, dizendo que ela é o reflexo da "decomposição moral".A exibição itinerante, chamada "Corpos Revelados", já provocou muita polêmica em outros países ao expor 14 cadáveres dissecados inteiros e mais de 200 órgãos. "Estamos em meio a algo macabro", disse Chávez em seu programa semanal na TV estatal, no domingo. "São corpos humanos. Corpos humanos! Este é um sinal realmente claro da enorme decomposição moral que atinge nosso planeta." Chocado ao ver a notícia em um jornal sobre a chegada da exposição à capital venezuelana, o presidente ordenou seu fechamento na semana passada. No dia da inauguração, a agência fiscal Seniat e a versão venezuelana do FBI deram uma batida no local, expulsaram os 400 visitantes e levaram todos os objetos. As autoridades vão investigar se as peças que estavam em exposição foram declaradas ilegalmente na alfândega como sendo de plástico. Os corpos que estavam em exibição passaram por um processo conhecido como polimerização, com a dissecação, desidratação e injeções de silicone líquido. "Usando corpos humanos reais, laboriosamente preparados e exibidos de modo respeitoso, essa mostra permite aos visitantes de todas as idades explorar o mais profundo do corpo humano, de uma maneira que informa, mas não oprime", diz o site da exposição. Já houve muito debate sobre a origem dos corpos, que são chineses, e se os doadores deram autorização para sua exibição, provocando polêmica em Nova York e em outros lugares. Os críticos da mostra dizem que o voyeurismo predomina sobre o valor científico e artístico, o que foi repetido por Chávez. O confisco dos cadáveres e órgãos ocorre após várias intervenções ordenadas por Chávez - que vão de fazendas a beneficiadoras de arroz, todas de propriedade privada. As intervenções fazem parte de uma iniciativa do presidente para ampliar o controle estatal sobre a economia e aprofundar o "socialismo do século 21" na Venezuela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.