Chávez critica os 'felizes' pela morte do líder das Farc

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, comentou pela primeira vez a morte de um dos principais comandantes das Forças Armadas da Colômbia (Farc), criticando quem está "contente" com a notícia. "Nós não deveríamos estar felizes com a morte de alguém", afirmou Chávez na noite de ontem, durante um evento transmitido pela televisão estatal.

AE, Agência Estado

25 de setembro de 2010 | 10h33

A Colômbia anunciou na última quinta-feira (23) que suas tropas mataram Jorge Briceño, de 57 anos, também conhecido como "Mono Jojoy", o principal marechal de campo das Farc, em um ataque aéreo e terrestre em um grande acampamento rebelde. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse que a morte do líder rebelde era "o mais devastador golpe contra as Farc".

Ontem, o presidente dos Estados Unidos chamou a quinta-feira de um "grande dia" para a Colômbia e elogiou o "trabalho notável" do militares colombianos, que receberam forte apoio e financiamento dos EUA.

Chávez afirmou que espera que a Colômbia continue a trabalhar na direção de um acordo de paz com os rebeldes e que "eles não continuem a matar aqui e ali". O líder venezuelano, no poder nos últimos 11 anos, foi acusado por autoridades dos EUA de ter ligações com as Farc. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
FarcColômbiaHugo Chávez

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.