Chávez delega funções administrativas a vice

Maduro poderá intervir na política econômica venezuelana; no ano passado, presidente emitiu decreto similar

CARACAS, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2012 | 02h03

O vice-presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, teve suas atribuições ampliadas por decreto antes da viagem do presidente Hugo Chávez para Cuba, onde passou pela quarta cirurgia contra um câncer pélvico. Entre as funções delegadas por Chávez a Maduro estão a concessão de crédito público, ajustes orçamentários, expropriações e a análise de prestações de contas de seus ministros, informou ontem o governo venezuelano na sua Gaceta Oficial.

Ontem, Maduro reiterou ter conversado com Chávez por telefone e voltou a afirmar que o presidente cumpre à risca o cronograma pós-operatório. "Conversei por cerca de 20 minutos com o presidente. Ele deu ordens de trabalho precisas, que estão sendo cumpridas, na área econômica e em diversos temas", disse o vice-presidente. "Eu lhe dei detalhes da posse e de outras coisas."

Maduro disse ainda que em várias oportunidades Chávez lhe garantiu que já caminhava e fazia fisioterapia. "O presidente tem um quadro clínico difícil e complexo, mas também, uma gigantesca vontade de viver", declarou.

Em julho do ano passado, Chávez baixou decreto similar antes de seguir para Cuba para sessões de quimioterapia no âmbito de seu tratamento contra um câncer. Na ocasião, as funções administrativas foram delegadas ao então vice-presidente Elías Jaua e ao ministro de Planejamento Jorge Giordani.

No dia 8, pouco antes de embarcar para Cuba para uma complexa cirurgia para a extração de um tumor reincidente na região pélvica, Chávez disse que Maduro deveria ser seu sucessor.

Na segunda-feira, em um pronunciamento à nação por ocasião do Natal, Maduro afirmou aos venezuelanos que Chávez recuperava-se bem da cirurgia à qual foi submetido no dia 11 e já era capaz de caminhar e praticar exercícios.

"Recebi uma ligação do comandante Hugo Chávez de Havana. Estava caminhando, fazendo exercício", disse Maduro. "Pediu-me que saudasse a todo o povo da Venezuela, em especial as crianças. E sejamos moderados na celebração. De fato, por instruções precisas do comandante, só comerei uma hallaca (prato natalino)", completou. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.