Chávez denuncia complô para matá-lo

CARACAS

AFP, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 00h00

Em pronunciamento em rede nacional na noite de sábado, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, denunciou, mais uma vez, a existência de um suposto complô nacional e internacional para matá-lo. "Foram reativados os planos para me assassinar fora do país e dentro do país, estou nas mãos de Deus e do povo", disse. "Outra vez, estão buscando mercenários na América Central e na Colômbia."

Chávez acusou seus opositores de mobilizar militares golpistas para planejar atentados contra seu governo e de levantar dinheiro para custear seu assassinato. "Estão procurando um foguete que será lançado contra um avião ou helicóptero, mas, de qualquer modo, viveremos, assumi isso como uma responsabilidade", assegurou o presidente. Esta não é a primeira vez que Chávez denuncia planos contra ele. Em junho de 2009 não foi à posse do presidente de El Salvador, Mauricio Funes, dizendo que tinha cancelado a viagem por causa da descoberta de um plano para matá-lo.

A tensão entre a Venezuela e a Colômbia aumentou no final do ano passado após Bogotá firmar um acordo de cessão de bases militares com os EUA. Chávez disse que as bases seriam usadas para um ataque contra a Venezuela. /

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.