Chávez diz que bases dos EUA podem provocar guerra

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, advertiu hoje que "os ventos da guerra estão soprando" na América do Sul, enquanto continuam os embates diplomáticos entre Colômbia e Venezuela. Durante uma cúpula da União de Nações Sul-americanas (Unasul) em Quito, Chávez pediu a realização de uma reunião de emergência com chefes de Estado regionais para discutir as negociações entre Colômbia e Estados Unidos sobre as instalações de bases norte-americanas em território colombiano. "A Venezuela sente-se ameaçada. Isso poderia provocar uma guerra na América Latina", disse Chávez em comentários transmitidos pela televisão estatal de seu país.

AE-AP, Agencia Estado

10 de agosto de 2009 | 15h03

Chávez, ex-soldado e um forte crítico de Washington, faz oposição a Álvaro Uribe, presidente colombiano, que é forte aliado dos EUA. Uribe não esteve nas reuniões da Unasul, mas se reuniu com presidentes da região na última semana para defender seus planos militares. Segundo ele, o objetivo da parceria é reforçar a luta contra o tráfico de drogas e insurgências. Chávez retratou a presença militar norte-americana na Colômbia como a base de lançamento potencial para ataques contra a revolução socialista na Venezuela.

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, e o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, disseram que uma reunião entre os chefes de Estado com a presença de Uribe é necessária para tratar dos planos de Bogotá. Cristina ofereceu-se para recepcionar a reunião em Buenos Aires e a convidar pessoalmente Uribe para o encontro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.