Chávez diz que boa relação com presidentes de México e Peru é impossível

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse neste domingo que é "impossível" manter uma relação cordial com os governantes do México, Felipe Calderón, e do Peru, Alan García.Chávez afirmou que essa incompatibilidade pessoal não significa que as relações com os dois países serão rompidas ou não possam continuar a se desenvolver normalmente, sobretudo no plano econômico.Chávez explicou que tanto Calderón como García utilizaram sua imagem de maneira ridícula para atacar seus oponentes de esquerda Ollanta Humala, no caso peruano, e Andrés Manuel López Obrador, no mexicano."Como o presidente do México vai querer agora que tenhamos boas relações no plano pessoal ou político? Isso é impossível, porque ele as rompeu antes de ser eleito presidente", disse Chávez.O governante lembrou que as autoridades eleitorais mexicanas proibiram peças de propaganda de Calderón que usavam sua imagem de maneira "grosseira".O venezuelano aplica o mesmo raciocínio à García, que, segundo Chávez, chegou a afirmar que o presidente venezuelano se divorciou de Marisabel Rodríguez porque lhe batia.O presidente venezuelano citou declarações de García quando ganhou as eleições: "Aqui há um grande derrotado: o tirano do Caribe (ou seja, eu)".Chávez acrescentou que, pouco depois, García tentou minimizar essas afirmações, dizendo que pertenciam ao passado e que já tinham sido esquecidas. "Esquecer, eu? Não. Se lá não há dignidade, aqui há", disse. Chávez afirmou que "isso não vai levar a uma ruptura de relações". "Continuaremos mantendo relações comerciais com o Peru; temos relações profundas com esse povo irmão, e há um movimento indígena e sindical que esteve a ponto de chegar à Presidência. Acho que foi vítima de fraude", afirmou.A Venezuela mantém congeladas as relações com Peru e México e, segundo os analistas, não se vislumbra uma normalização da situação a curto prazo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.