Chávez diz que Colômbia é 'pátria irmã' e receberá Uribe

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, criticou o Partido Comunista da Venezuela, um aliado do seu governo, por ter convocado uma marcha de protesto contra a visita do seu colega colombiano Alvaro Uribe ao país. Hoje, ele afirmou que a Colômbia é uma pátria irmã, com a qual a Venezuela precisa se entender. Após vários meses de uma relação estremecida, Chávez e Uribe se encontrarão no estado venezuelano de Falcón na sexta-feira. O encontro deverá durar apenas três horas, mas será importante para o restabelecimento das relações entre os dois países. Nos últimos meses, os dois líderes trocaram insultos que levaram as relações entre Venezuela e Colômbia ao seu nível mais baixo em décadas. Não se espera que os dois presidentes assinem algum acordo comercial concreto, mas sim que a reunião seja um ato político que reduza as tensões na área de fronteira entre os dois países. O momento mais crítico das relações entre Venezuela e Colômbia ocorreu logo após 1º de março, quando o Exército da Colômbia atacou um acampamento da guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) no Equador. A Venezuela solidarizou-se ao Equador e Chávez enviou dez batalhões à fronteira com a Colômbia, expulsou o embaixador colombiano em Caracas, fechou a Embaixada da Venezuela em Bogotá e restringiu o comércio na fronteira. O chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou ontem que o país usará a reunião de amanhã para restabelecer um diálogo "respeitoso" e "construtivo" com o governo da Colômbia. "Acima de tudo, deve prevalecer um diálogo que nos conduza a uma agenda de paz," disse Maduro.Adolfo Tayhardat, ex-vice chanceler da Venezuela, disse que para Uribe também é vital retomar as relações com a Venezuela, por causa da economia. "Para a Colômbia, as relações com a Venezuela são um grande negócio."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.