Palácio de Miraflores/Reuters
Palácio de Miraflores/Reuters

Chávez diz que 'governo americano é assassino e golpista'

Presidente reitera que não aceitará presença de embaixador designado pelos EUA em Caracas

AE-AP, Agência Estado

17 de setembro de 2010 | 18h04

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, não deu nesta sexta-feira, 17, seu consentimento à designação de Larry Palmer como embaixador dos Estados Unidos na Venezuela, ao mesmo tempo que fez duras críticas ao governo norte-americano, ao qual qualificou de "assassino e golpista".

"O governo revolucionário que eu dirijo não aceitará a presença na Venezuela do embaixador Palmer, que eles pretendem designar para Caracas", disse Chávez, durante um comício na capital. "Que Palmer nem apareça por aqui, porque não vamos deixá-lo entrar na Venezuela", afirmou o mandatário.

Palmer já havia sido aprovado pelo governo venezuelano, mas no mês passado foi vetado por Caracas, após a divulgação das respostas que deu a uma comissão do Senado dos EUA.

 

Nas afirmações, Palmer mostrou-se preocupado com o possível aumento da influência cubana sobre as Forças Armadas da Venezuela. Além disso, o diplomata afirmou então que os militares venezuelanos se encontram com o moral baixo, porque ocorreram nomeações no mundo castrense "feitas com motivação política".

"Se eles decidirem não nos enviar um embaixador, que não enviem, se decidirem expulsar nosso embaixador, que expulsem, esse é um problema deles e não nosso", afirmou Chávez, que criticou Washington.

 

O governante também disse que em breve enviará uma carta de protesto à Casa Branca, por causa de um relatório recente do governo americano que afirma que Venezuela e Bolívia não cumprem com seus compromissos internacionais na luta contra as drogas. Chávez afirmou que o relatório dos EUA é "politiqueiro" e "manipulador".

Segundo o presidente, o documento sobre a luta contra as drogas tem "caráter coercitivo". Por isso, pediu que "sejam revisadas e abolidas todas as leis com efeitos extraterritoriais, que servem de base legal para o funcionamento do Estado imperialista dos EUA". Para o mandatário venezuelano, "essas leis são uma contravenção ao direito internacional".

A Venezuela e os EUA têm uma relação tensa há 11 anos, período que correspondeu ao mandato de George W. Bush nos EUA. Chávez acusou Bush de promover conspirações contra seu governo. Apesar da tensão ter diminuído desde a eleição de Barack Obama, em 2008, as relações permanecem difíceis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.