Chávez diz que Guatemala fará parte do Petrocaribe

O presidente Hugo Chávez disse hoje que está expandindo o pacto de fornecimento de petróleo da venezuelana, o Petrocaribe, para incluir a Guatemala. Através do acordo, a Venezuela abastece nações com petróleo subsidiado sob termos que incluem empréstimos de longo prazo e a opção de pagar pelo menos parte desses custos com bens e serviços. "É uma obrigação ajudar os países mais fracos", afirmou Chávez durante pronunciamento televisionado.Segundo Chávez, quase 20 chefes de Estado compareceram à Cúpula Petrocaribe, na cidade venezuelana de Maracaibo, neste final de semana, onde o presidente da Guatemala, Álvaro Colom, vai formalizar o ingresso de seu país no grupo. O ministro do petróleo da Venezuela, Rafael Ramirez, disse que o pacto "fortalece as nações na região ante um mercado em dificuldades", referindo-se ao preço do petróleo, que recentemente superou a barreira dos US$ 140 por barril.Na avaliação do economista Mazhar al-Shereidah, que acompanha o setor, a disparada nos preços está influenciando países, inclusive a Guatemala, a entrar para o grupo. Mas o pacto é um "sacrifício" econômico para a Venezuela. Al-Shereidah acrescentou que enquanto os críticos de Chávez dizem que ele está usando o pacto para expandir sua influência política na região, tal efeito na verdade pode ser mínimo.Falando sobre a tentativa de Chávez, em 2006, de conquistar um assento para a Venezuela no Conselho de Segurança da ONU, Al-Shereidah disse: "Nenhum de seus amigos o apoiou". A Venezuela fornece mais de 200 mil barris de petróleo por dia através do Petrocaribe para 17 países na América Latina e Caribe. Os países membros pagam por metade da entrega dentro de 90 dias e pela outra metade em 25 anos - a uma taxa de juro fixo de 1%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.