Chávez diz que não desistirá de vaga no Conselho da ONU

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse nesta terça-feira que seu país vai continuar lutando por uma vaga no Conselho de Segurança, apesar do impasse com a Guatemala.?A Venezuela não vai desistir. Eu digo aqui para todo o mundo, a Venezuela vai continuar lutando nesta batalha?, afirmou Chávez, em pronunciamento na televisão. Ele acusou o governo dos Estados Unidos, que apóia a Guatemala, de ?chantagem, pressão e ameaças de todos os tipos?.O embaixador americano na ONU, John Bolton, negou que Washington esteja pressionando outros países. ?Nós manifestamos nossa posição de forma bastante discreta. É motivada pela nossa preocupação com a Venezuela?, afirmou. Bolton disse nesta terça-feira que está ?claro? que a Venezuela está fora da disputa.22 vezesEm dois dias de votações, Guatemala e Venezuela já disputaram 22 vezes o voto dos 192 países da Assembléia Geral, mas nenhum dos dois conseguiu atingir os dois terços necessários. Na última votação realizada na terça-feira, a Guatemala obteve 102 votos, contra 77 da Venezuela. Os países precisam de, no mínimo, 124 votos.O impasse tem gerado pressões para que os países cheguem a um acordo. Mais uma rodada de votações deve ocorrer na quinta-feira.Em 1979, uma disputa entre Cuba e Colômbia levou três meses para ser resolvida, com o México assumindo a vaga após um acordo entre as partes.Desta vez, acredita-se que a Costa Rica, o Panamá ou o Uruguai possam assumir a vaga, em um eventual acordo.Com assuntos como Irã, Darfur e Coréia do Norte na agenda do Conselho de Segurança, uma vaga no órgão é vista como uma forma importante de influência dos países.O Conselho tem 15 vagas, sendo que cinco são permanentes - da China, Estados Unidos, França, Grã-Bretanha e Rússia. As outras 10 são divididas entre blocos regionais da África, América Latina, Ásia, Europa Ocidental e Leste Europeu.Neste ano, quatro países foram eleitos para ocupar novas vagas, com mandato de dois anos: Indonésia, África do Sul, Itália e Bélgica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.