REUTERS/Enrique Marcarian - 01/02/2005
REUTERS/Enrique Marcarian - 01/02/2005

Chávez e Néstor Kirchner lucraram com câmbio paralelo

Delator diz que os dois ex-presidentes ganharam ao menos US$ 50 milhões com esquema que incluía venda de títulos públicos

O Estado de S.Paulo

17 Setembro 2018 | 21h49

BUENOS AIRES - Os ex-presidentes da Argentina Néstor Kirchner e da Venezuela Hugo Chávez lucraram US$ 50 milhões com um esquema de corrupção envolvendo títulos públicos argentinos e compra e venda de dólares no mercado paralelo.

A revelação foi feita por Claudio Uberti, ex-chefe de uma autarquia que controla licitações públicas na Argentina que foi representante do ex-ministro do Planejamento, Julio De Vido, na Venezuela. Uberti fez um acordo de delação premiada com o juiz Claudio Bonadio, que investiga corrupção envolvendo os Kirchners.

Segundo revelaram os jornais Clarín e La Nación, Uberti afirmou que, entre 2005 e 2006, Kirchner pediu dinheiro a Chávez. Na época, a Venezuela vivia o auge de sua produção de petróleo e patrocinava regimes amigos na América do Sul. 

A Venezuela comprou títulos emitidos pela Argentina, em janeiro de 2002, para compensar as vítimas do confisco de depósitos em dólares no chamado “corralón”. Os argentinos vendiam os títulos a preços mais baratos para os venezuelanos. Por quase dois anos, a Venezuela comprou títulos argentinos, um total de quase US$ 1,8 bilhão.

Kirchner usava o dinheiro para recompor reservas internacionais, consumidas durante crises sequenciais. Mas a negociação não era apenas camaradagem. A Venezuela repassava os papéis argentinos para bancos venezuelanos, que revendiam os títulos para investidores da Venezuela com até 25% de ganho. Outra parte dos títulos era vendida no mercado internacional por um valor maior do que o adquirido. 

Os venezuelanos então vendiam, no mercado paralelo, os dólares recebidos com a liquidação dos títulos, que tinham um valor muito mais alto que o câmbio oficial. A diferença era paga em bolívares, que depois eram usados para comprar mais dólares no mercado oficial, a um valor muito abaixo do cobrado no paralelo. 

Tudo era feito com aval de kirchneristas e chavistas. Uberti disse que, em uma operação de venda de US$ 500 milhões, o lucro foi de US$ 100 milhões. A metade da operação ficou com intermediários, como bancos e corretores. Os outros 50% ficaram com Chávez e Néstor Kirchner.

Segundo Uberti, Kirchner fez questão de receber sua parte em dinheiro, que foi enviado de avião para Buenos Aires. Ele afirma que o dinheiro chegou em malas no aeroporto e foi levado até a casa de Néstor. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.