Chávez espera conversar com Insulza sobre a emissora RCTV

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, amitiu na quarta-feira que cometeu excessos em suas declarações sobre o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, a quem chamou de "pentelho", mas afirmou não se arrepender de suas palavras.Após tomar posse para seu terceiro mandato consecutivo (2007-2013), Chávez reiterou sua rejeição ao pedido de Insulza para que "reveja" a medida de não renovar a concessão à "Radio Caracas Televisión" ("RCTV") quando a mesma terminar, em 27 de março.Segundo a agência de notícias EFE, Chávez pretende reunir-se com Insulza nesta tarde, na posse de Daniel Ortega como presidente da Nicarágua. Caso não consiga, a posse de Rafael Corrêa em Quito seria outra boa oportunidade, ou mesmo em Caracas.O Governo venezuelano acusou Insulza de intrometer-se em suas decisões soberanas, e Chávez pediu na segunda-feira ao diplomata chileno que renunciasse à Secretaria-Geral da OEA, após chamá-lo de "´insulso´ (insosso) e vice-rei do império".O secretário, que se negou a responder aos ataques de Chávez, tinha demonstrado sua preocupação por ser "pouco comum" o fechamento de um meio de comunicação social, o que "não tem precedentes" nas últimas décadas de democracia no continente sul-americanoNo dia 28 de dezembro, anunciou que não renovaria a licença da "RCTV", emissora de televisão que tachou de "golpista", o que associações nacionais e internacionais qualificaram como uma violação da liberdade de Expressão.O governo venezuelano defendeu a medida alegando que é sustentada na norma constitucional que concede ao Estado o poder de administrar o espectro radioelétrico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.