Chávez, falastrão em 140 toques

A dúvida é se o presidente venezuelano, acostumado a longos discursos, se adaptará a sua nova frente de comunicação: o Twitter

Rory Carroll, THE GUARDIAN / CARACAS, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2010 | 00h00

Pense em um camelo tentando passar pelo buraco de uma agulha, uma força descomunal chocando-se contra um objeto imóvel ou um grande prego redondo que precisa ser encaixado em um orifício pequeno, e quadrado. Você terá uma ideia de quão inusitada parece ser a chegada de Hugo Chávez ao Twitter.

Prolixo, o líder venezuelano pode falar por horas e horas a fio, atropelando as próprias palavras. No conjunto de microblogs Twitter, as mensagens enviadas pelos usuários devem ter um máximo de 140 caracteres - um quarto deste texto até este ponto. A conta de Chávez no Twitter foi aberta na terça-feira. Seu nome de usuário é @Chavezcandanga (a palavra candanga significa rebelde ou audacioso). "Tudo bom? Apareci, como prometi: à meia-noite. Vou para o Brasil, contente de trabalhar pela Venezuela. Venceremos", escreveu.

O objetivo da entrada do líder venezuelano no Twitter é tomar espaços que antes eram ocupados pela oposição nas redes de relacionamento e sites. Aliados do presidente também foram instruídos a usar o Facebook para manifestar seu apoio ao governo. Ontem, Chávez já tinha 60 mil seguidores.

Mas, mesmo entre seus aliados, há quem duvide da capacidade de Chávez adaptar-se à nova tecnologia, escrevendo mensagens mais sucintas. Seu programa de TV, o Alô, Presidente, muitas vezes ultrapassa 7 horas de duração, totalizando 54 mil palavras ou 333 mil caracteres - o tamanho de um livro.

Em sua "guerra pela internet", Chávez também prometeu lançar seu próprio site, mas com menos limite: "Colocarei muitas informações lá. Será um bombardeio."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.