Chávez mantém vantagem sobre rival

Presidente está 15 pontos porcentuais na frente de opositor, de acordo com pesquisa

CARACAS, O Estado de S.Paulo

17 de julho de 2012 | 03h03

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, teria uma vantagem de 15 pontos porcentuais sobre o opositor Henrique Capriles, caso a eleição de 7 de outubro fosse hoje. Pesquisa Datanalisis divulgada ontem mostra Chávez com 46,1% das intenções de voto. Capriles tem 30,8% - o restante ainda está indeciso ou não respondeu.

O Datanalisis é um dos mais importantes institutos de pesquisas de opinião da Venezuela. O resultado de ontem é parecido com o registrado em maio, quando a diferença entre os dois era de 15,9 pontos porcentuais em favor de Chávez.

Chávez, de 57 anos, está em campanha por um novo mandato de seis anos. O presidente, que entrou no 14.º ano à frente do governo venezuelano, continua popular graças aos pesados gastos sociais, financiados pelas exportações de petróleo, e à conexão emocional permanente que ele mantém com a maioria miserável do país.

Chávez aparenta até agora uma notável recuperação de um câncer diagnosticado no ano passado. O tratamento à base de radio e quimioterapia foi duro e exigiu várias viagens a Cuba nos últimos meses. Os médicos recomendaram repouso e Chávez teve de diminuir radicalmente suas aparições em público.

Acostumados com um presidente onipresente, os venezuelanos começaram a questionar a saúde de Chávez e se ele realmente teria forças para enfrentar uma disputa dura contra um adversário mais jovem como Capriles, ex-governador do Estado de Miranda.

Violações. Aos 40 anos, Capriles tem atraído multidões para seus comícios e tentado vender a imagem de político jovem e cheio de energia. Aparentemente, a estratégia de ser o anti-Chávez vinha dando resultado. Algumas pesquisas vinham mostrando uma diminuição considerável da vantagem de Chávez, até a divulgação da sondagem de ontem.

Segundo estudo da Universidade Andrés Bello (Ucab), divulgado ontem, Chávez violou 217 vezes a lei eleitoral na primeira semana de campanha, enquanto seu rival, Capriles, cometeu 165 infrações. A análise, feita pelo Instituto de Pesquisa da Comunicação da Ucab e pelo jornal El Nacional, verificou que a Lei de Processos Eleitorais foi desrespeitada 416 vezes ao todo, sendo que o próprio Conselho Nacional Eleitoral (CNE) cometeu 34 infrações.

As transgressões cometidas por Chávez são desqualificações de seu adversário, Capriles, e o uso de fundos do Estado para fazer campanha. O relatório também afirma que o presidente infringiu a lei ao utilizar edifícios públicos para colocar propaganda eleitoral. O estudo também aponta a presença de funcionários públicos fazendo campanha para Chávez, outra transgressão da lei.

Inoperância. Já Capriles teria infringido a lei por fazer campanha antes do início oficial da corrida eleitoral, por dizer ofensas em seus discursos e por utilizar símbolos pátrios durante seus comícios. Segundo o estudo da Ucab, o CNE também descumpriu a legislação eleitoral venezuelana, já que "não atua" para conter os abusos e responder às denúncias de infrações. / REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.