Chavez não crê em rebelião militar

O presidente venezuelano Hugo Chávez descartou neste sábado à noite o risco de uma rebelião militar contra o governo e qualificou de traidor o coronel da Força Aérea Pedro Soto, que exigiu a demissão de Chávez. Em entrevista para a Televisão Nacional do Chile, o presidente disse que já sabia que a oposição planejava a aparição de um oficial militar para criticá-lo. "Só não sabíamos quem era" esse oficial, disse. Chávez afirmou que Soto é um "traidor" e que se rebelou porque viu frustrada a sua ascensão como general. Ele disse que na Venezuela "não existe uma oposição séria" e que seus adversários querem dar "a falsa idéia ao mundo" de que há no país um risco de uma rebelião militar. "Não existe nenhum risco. Conheço as Forças Armadas venezuelanas", disse o ex-comandante que encabeçou uma tentativa de golpe de Estado na década passada. "Conheço quem é quem nos quartéis".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.