Carlos Garcia Rawlins/Efe
Carlos Garcia Rawlins/Efe

Chávez nega que Forças Armadas da Venezuela passem por 'cubanização'

Ex-general diz que cresce a presença de militares cubanos nos corpos de segurança do país

Agência Estado e Associated Press

26 de abril de 2010 | 11h43

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, minimizou no domingo, 25, as afirmações do ex-general Antonio Rivero, segundo as quais cresce a presença cubana nas Forças Armadas do país. Chávez criticou Rivero após o oficial reformado denunciar o que chamou de participação generalizada das tropas cubanas nas forças militares da Venezuela.

 

Veja também:

linkChávez aumentam 40% soldo dos militares

O líder venezuelano defendeu a cooperação cada vez mais próxima de seu governo com as autoridades de Havana. "Que cubanização? Aqui os cubanos estão nos ajudando", disse ele, durante seu programa dominical de rádio e televisão "Alô, presidente".

O ex-general afirmou que os cubanos agora se envolvem nos treinamentos das tropas e têm um papel na área de inteligência, armas, comunicações e outras também estratégicas. Ex-aliado de Chávez, Rivero saiu da ativa após 25 anos, justamente pelo que qualificou como "intromissão" de soldados cubanos nas Forças Armadas.

Falando ao canal Globovisión, Rivero disse que agentes de inteligência o estavam espionando. Chávez afirmou suspeitar que o ex-general já tivesse contatos com a oposição antes de deixar a ativa.

O presidente da Venezuela tem aproximado o país de Cuba desde que chegou ao poder, em 1999. Ele visita frequentemente o ex-líder cubano Fidel Castro, que qualifica como mentor, embora rechace as acusações de que os líderes cubanos tenham a ver com seus planos de transformar a Venezuela em um Estado socialista.

Durante o programa dominical, Chávez anunciou também um aumento salarial de 40% para os militares. A decisão pode ajudar a consolidar a lealdade ao presidente às vésperas das eleições legislativas de setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
VenezuelaChávezCubaForças Armadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.