Chávez nomeia novos ministros

Membros do gabinete afastados vão concorrer as eleições para deputado na Assembleia Nacional

AP,

24 de junho de 2010 | 05h53

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, nomeu nove ministros na quarta-feira, 24, para substituir alguns membros de seu gabinete que serão candidados a deputados. Em outra decisão, ele transferiu a vice-presidência do manejo de uma empresa estatal, que administrava a PDVSA, que está envolvido em um escândalo de corrupção pela descoberta de toneladas de alimentos estragados.

Chávez nomeou Mauricio Rodríguez como novo ministro de Comunicação em substituição a jornalista Tania Díaz, que ingressou ao cargo em abril e foi oficializada pelo Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), como candidata a deputada por Caracas. As informações são da Gazeta Oficial que foi publicada na quarta-feira.

Rodríguez deve ocupar a direção de vice-ministro da Formulação de Políticas e Planos em Ciência, Tecnologias e Indústrias. Entre 2008 e o início deste ano ele estava com o vice-ministério de Gestão Comunicacional.

O presidente venezuelano também concordou com a eliminação do Ministério de Obras Públicas e Habitação, e criou os escritórios de Transporte e Comunicações e da Habitação.

No Ministério de Transportes e Comunicações foi colocado Garcés Francisco da Silva, e Ricardo Molina Peñaloza, com a Habitação.

Garcés da Silva vai dirigir a Fundação Venezuelana de Investigação Sismológica (Funvisis), cargo em que esteve desde março de 2009

O Ministério de Obras Públicas, que era digido antes por Diosdado Cabello, um dos colaboradores mais próximos de Chávez, foi indicado como candidato na Assembleia Nacional.

No Ministério da Educação foi chamado Jennifer Gil Laya em substituição de Hector Navarro, e no Ministério do Esporte foi nomeado Hector Rodriguez Castro, ex-ministro da Secretaria da Presidência, para substituir Victoria Mata.

Da mesma forma, o Ministério da Mulher estará Nancy Pérez no lugar de María León, e do apuramento dos Municípios e da Defesa Social, Isis Canizalez Ochoa foi nomeado para substituir Erika Faria.

Cabello Navarro, Mata, Leon, Faria e Diaz foram selecionados por Chávez e outros membros da lista do seu partido de 165 candidatos concorrentes PSUV nas eleições 26 de setembro legislativo.

Além disso, o governador nomeou Juan Carlos Loyo, presidente Nacional Instituto de Terras (INTI), como o novo ministro Agricultura e Terras, uma posição que era ocupada por Elias Jaua, atualmente vice-presidente.

O Ministério do Gabinete do Presidente foi nomeada Maria Isabella Godoy Peña, para substituir o Ochoa Canizalez, que foi para o Ministério das Comunicações.

Chávez disse no mês passado que o seu Ministro da Saúde; tenente-coronel aposentado, Luis Reyes, também seria candidato na Assembleia Nacional e, em seu lugar colocou o coronel Eugenia Sader, um médico da aviação militar, que serviu como vice-ministro das redes de Saúde Pública.

Além disso, o governo Chávez transferiu o a estatal Produtora e Distribuidora Venezuelana de Alimentos (PDVAL) da corporação Petróleos de Venezuela SA (PDVSA) para a Vice-Presidência, disse na quarta-feira o governo, através do Diário Oficial.

A transferência de PDVAL ocorre em meio a escândalo após descoberta de dezenas de milhares de toneladas de alimentos PDVAL decompostos foram importados.

O vice-presidente da PDVSA, Asdrúbal Chávez, uma ideia na quarta-feira que alguns de armazenamento de alfândega e privados que têm responsabilidade no caso e que deve ser levantada

"Investigado por colocar obstáculos no processo de nacionalização das mercadorias", de acordo com a Agência Venezuelana de Notícias (AVN).

O governo assumiu o início do ano passado a todos os portos expropriados do país e todas as áreas que foram tratadas por armazenagem privada em zonas portuárias.

"O setor privado teve muito envolvimento em Puerto Cabello, corretores de seus costumes, os armazéns eram atores e caracteriza-se por colocar barreiras, colocar obstáculos no processo de nacionalização dos bens",

Para este caso foram detidos o ex-presidente da PDVAL, Luis Enrique Pulido, e outros dois ex-diretores do tratamento alimentos.

As autoridades da Igreja e da oposição exigiram estabelecer as responsabilidades de alto nível para o evento é considerada como um sinal de corrupção no governo Chávez.

O cardeal Jorge Urosa disse que a resposta do governo pelo escândalo "é muito tímida, e acrescentou que "é preciso a investigação da verdade e punir administrativamente e moralmente os responsáveis. E, claro, as sanções penais em seu lugar.''

Urosa sugeriu que o governo socialista de Chávez "está cada vez mais totalitário", disse na Rádio União, que o presidente pretende controlar a distribuição de alimentos em todo o país para "controlar o povo, do ponto político.''

Alguns líderes da oposição pediram a abertura de processos contra o ministro da Energia e o presidente da PDVSA, Rafael Ramírez e o ministro de Alimentos, Felix Osorio, cujos escritórios tiveram a cargo da PDVAL.

Chávez, entretanto, pediu ao procurador para trazer os responsáveis à justiça. Até agora foram detidos o ex-presidente da PDVAL e dois outros funcionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.