Chávez nomeia "porta-voz" de diálogo nacional

Em seqüência a seu projeto de diálogo com os distintos setores do país para resolver as diferenças que levaram parte da população civil e militares a apoiar o golpe de Estado do fim de semana, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, nomeou nesta sexta-feira o ministro da Defesa, José Vicente Rangel, "porta-voz" do processo de diálogo nacional.Rangel reuniu-se nesta sexta-feira mesmo com diretores dos canais privados de televisão - a quem Chávez acusou de ter apoiado o golpe - e com o líder sindical Carlos Ortega.Ortega, presidente da Confederação de Trabalhadores da Venezuela (CVT), e Pedro Carmona, presidente da patronal Fedecámaras, haviam convocado a greve geral da semana passada, que deu início à agitação política.O ministro informou que deu garantias de segurança a Ortega e sua família, depois que o líder sindical disse temer ser vítima de represálias.Rangel, que falou com jornalistas em um ato oficial pela comemoração dos 192 anos da proclamação da independência da Venezuela, disse que o diálogo iniciado nesta quinta-feira pelo governo tem como objetivo "diminuir as tensões".Os venezuelanos celebraram nesta sexta-feira o Dia da Independência, com a marcante ausência de Chávez, que suspendeu na última hora sua primeira aparição pública, alegando excesso de trabalho. Cerca de 200 chavistas reunidos na Praça Bolívar aguardaram durante horas a aparição de Chávez.Grandes Acontecimentos InternacionaisESPECIAL VENEZUELA

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.