Enrique Marcarian/Reuters
Enrique Marcarian/Reuters

Chávez nomeia seu chanceler, Nicolás Maduro, como vice-presidente

Na chefia da diplomacia venezuelana desde 2006, ministro é tido como pragmático e um dos favoritos a suceder presidente

estadão.com.br,

10 de outubro de 2012 | 19h22

Texto atualizado no dia 11/10, às 09h01

 

CARACAS - O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, anunciou nesta quarta-feira, 10, que seu atual chanceler, Nicolás Maduro, ocupará a função de vice-presidente. O cargo ganhou importância desde que o presidente venezuelano anunciou, em julho de 2011, ter um câncer pélvico cuja extensão não é conhecida.

Veja também:

tabela ESPECIAL: Eleições na Venezuela

especial Maduro sai fortalecido com nomeação para vice-presidente, dizem analistas

 

Maduro substituirá Elias Jaua, que disputará a eleição para governador do Estado de Miranda em dezembro contra Henrique Capriles, o opositor que no último domingo foi derrotado por Chávez. O anúncio foi feito durante a proclamação oficial do líder bolivariano como vencedor da eleição pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE).

 

"Ao chanceler Maduro, desejamos muito sucesso", disse o presidente. "Vamos aplaudi-lo. Ele tem sido um grande servidor público todos estes anos em diversas frentes de batalha: na Assembleia Nacional e na chancelaria."

 

Chávez também agradeceu Jaua pelos serviços prestados nos dois anos e meio em que foi seu vice. "Obrigado, Jaua, e a sua família e aos que trabalharam com você por terem me aguentado", brincou o presidente, segundo o jornal El Universal.

 

No dia da eleição, após votar, o líder bolivariano destacou Maduro, sua mulher, a deputada Cilia Flores, e Jaua, como "jovens nomes do chavismo". Chávez afirmou também que sua revolução bolivariana "não é um projeto de um homem só" e "será levada adiante pelo povo".

 

Durante o período em que esteve em Cuba para tratar o câncer, Chávez recusou-se a transferir o cargo para Jaua. A doença também motivou debates sobre quem seria o herdeiro do chavismo. Ao longo de 14 anos no poder, o presidente evitou escolher um sucessor e sempre que um nome ganhava proeminência era afastado ou trocado de cargo.

 

Jaua, Maduro, o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, e Adán Chávez, um dos irmãos do presidente, foram apontados à época por analistas venezuelanos como os mais cotados para substituí-lo. Jaua e Adán representam o núcleo ideológico do chavismo e Cabello é ligado aos militares. Maduro é tido como pragmático./ AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.