Chávez parabeniza Ortega por vitória eleitoral na Nicarágua

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, elogiou nesta terça-feira a boa posição do líder sandinista Daniel Ortega na eleição da Nicarágua e sugeriu que seu esperado retorno à presidência é parte da atual luta da América Latina contra a influência dos EUA. "Ainda não deram resultados oficiais na Nicarágua, mas pelo o que me disseram nesta manhã, uma tendência irreversível emergiu", disse Chávez em um discurso televisionado. "Podemos dizer que o comandante Daniel Ortega é o novo presidente da Nicarágua". Chávez chamou este feito de retorno dos sandinistas - ex-rebeldes que governaram a Nicarágua de 1979 a 1989 e que se autonomearam baseados em Augusto Cesar Sandino, que liderou uma luta contra a presença militar no país no final dos anos 20 e começo dos 30. "Sandino volta, pela Nicarágua!", exclamou Chávez. "A América Latina está parando de ser um quintal do imperialismo dos EUA. Ianque, vá para casa! Gringo, vá para casa!". Seus ouvintes responderam com aplausos e gritos. O líder esquerdista venezuelano tem freqüentemente expressado apoio por Ortega. Ortega se recusou, nesta terça, a declarar vitória, apesar de resultados parciais terem mostrado que ele voltará ao poder após um intervalo de 16 anos. Com mais de 60% das urnas apuradas, ele tinha 39% dos votos, contra 31% do seu adversário, o banqueiro Eduardo Montealegre, simpáticos aos EUA. Ex-revolucionário Ex-guerrilheiro de orientação marxista e amigo de Hugo Chávez, Ortega uniu-se à luta armada contra a ditadura de Anastasio Somoza em 1963. Membro da Frente Sandinista de Libertação Nacional, ele participou do levante que derrubou Somoza em 1979, mas foi derrotado nas urnas em 1990 após anos de guerra civil contra rebeldes financiados pelos Estados Unidos. Caso sua vitória seja confirmada, o presidente venezuelano contará com mais um forte aliado na região - o que poderá resultar no corte da ajuda humanitária fornecida pelos Estados Unidos à Nicarágua. Com a vitória de Ortega estão em jogo milhões de dólares em potenciais investimentos internacionais. Muitos investidores aguardam para ver se Ortega manterá os compromissos com as políticas de livre comércio, como ele se comprometeu durante as eleições. Os temores derivam do primeiro mandato do ex-guerrilheiro socialista, que entre 1985 e 1990 expropriou propriedades privadas, empresas e cuja guerra contra os rebeldes pró-EUA resultou na morte de 30 mil pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.