Chávez perde 1,8 milhão de votos em 4 anos

O resultado da eleição parlamentar de domingo mostrou que o presidente venezuelano, Hugo Chávez, e sua legenda, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), perderam 890 mil votos desde a última vez que os venezuelanos foram às urnas, em fevereiro de 2009. A queda governista é ainda maior quando comparada ao resultado da eleição de 2006, na qual Chávez conquistou seu terceiro mandato - neste caso, foram 1,8 milhão de votos a menos.

João Paulo Charleaux, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

O resultado deu novo ânimo à oposição venezuelana, que já se prepara para enfrentar o oficialismo nas eleições presidenciais de 2012, em mais uma tentativa de derrotar o presidente venezuelano, que está há 11 anos ininterruptos no poder.

No plebiscito de 2009, o governo teve 6,2 milhões votos em favor de sua proposta de reeleições ilimitadas. Esse número caiu para 5,3 milhões no domingo - de um universo de 17,6 milhões de eleitores aptos a votar. A comparação, entretanto, é feita com base em duas votações de caráter diferente - em 2009, tratava-se de um plebiscito em torno de uma proposta de reforma constitucional. No domingo, os eleitores foram às urnas escolher entre os candidatos do governo e da oposição para renovar o Parlamento.

Do lado oposicionista, o salto é grande se comparado com a última eleição para deputados, realizada em dezembro de 2005. Na época, todos os candidatos oposicionistas ao Parlamento retiraram suas candidaturas sob a alegação de que o governo fraudaria a votação. Agora, a oposição conseguiu o controle de 65 das 165 cadeiras da Câmara.

Para a diretora do Instituto Venezuelano de Estudos Sociais e Políticos, Francine Jácome, "se Chávez não tivesse alterado os distritos eleitorais em agosto do ano passado, os mais de 50% de votos da oposição corresponderiam a quase metade das cadeiras do Parlamento atual".

Para ela, a queda nos votos do chavismo mostra que "a diferença entre governo e oposição vem diminuindo de forma sustentada" e o principal motivo para isso é "a falta de respostas de Chávez para os problemas crônicos de insegurança e inflação que afetam a Venezuela".

Queda livre

7,2 milhões

de eleitores asseguraram o terceiro mandato seguido de Chávez nas urnas, em 2006

6,2 milhões

apoiaram a reforma de 2006, que deu a Chávez o direito de concorrer a novos mandatos de forma ilimitada

5,3 milhões

votaram em candidatos oficialistas no domingo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.