Chávez promete conquistar novo mandato em outubro

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, prometeu ontem impor uma derrota "memorável" à oposição nas eleições presidenciais depois de assegurar que sua batalha contra o câncer ficou para trás.

AE, Agência Estado

27 de junho de 2012 | 11h52

A campanha da oposição está ativa há meses mas, segundo as regras eleitorais do país, a disputa começa oficialmente em julho. Chávez, que busca um terceiro mandato consecutivo de seis anos, disse que seus últimos exames médicos foram positivos, abrindo caminho para o que ele acredita virá a ser uma vitória retumbante na votação de 7 de outubro.

"Já não sou mais o cavalo que era antes, mas estamos chegando lá", disse o presidente, referindo-se à sua recuperação. "Mas ganharemos a eleição com uma surra."

Chávez, que falou depois de se reunir em Caracas com o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, disse que fez um exame completo antes de apresentar sua candidatura à reeleição, em 11 de junho, e que não espera mais ter de se submeter a novos tratamentos.

"Já fiz o que tinha de fazer", disse Chávez, de 57 anos. "No momento, e no horizonte que posso ver, não prevejo (novos exames e tratamentos)", acrescentou.

Segundo autoridades venezuelanas, o câncer de Chávez foi detectado em junho do ano passado, quando o presidente reclamou de dores durante visita oficial a Cuba. Desde então, Chávez teve dois tumores retirados da região pélvica e foi submetido a várias sessões de quimioterapia e radioterapia, a maioria das quais em Havana.

Retomando o tom desafiante que era mais comum antes de adoecer, Chávez disse que sua vantagem nas pesquisas de opinião sobre o candidato oposicionista, Henrique Capriles, é insuperável. Embora os números tenham variado em meio a acusações de viés partidário, Chávez aparece até 30 pontos porcentuais a frente de seu rival em algumas sondagens.

Capriles, de 39 anos, nunca perdeu uma eleição e já ocupou os cargos de prefeito, governador e congressista na Venezuela. Assim como alguns analistas, ele tem diminuído a importância das pesquisas, tendo em conta que faltam mais de três meses para o dia da eleição.

No ano passado, Chávez chegou a dizer que estava "totalmente curado" do câncer antes de sofrer uma recaída em fevereiro. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Venezuelaeleição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.