Chávez promete deixar política se perder votação

Presidente, cujo mandato expira em 2013, busca reeleição ilimitada

Reuters, Efe e AP, Caracas, O Estadao de S.Paulo

23 de janeiro de 2009 | 00h00

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, garantiu ontem que deixará o poder assim que seu atual mandato terminar, em 2013, caso a proposta de reeleições ilimitadas saia derrotada no referendo convocado para o dia 15. O anúncio foi feito na coluna As Linhas de Chávez, publicada ontem, pela primeira vez, por jornais e websites venezuelanos."Se a maioria disser não, então eu irei em outro fevereiro, o de 2013", escreveu Chávez, que está no poder há dez anos e foi eleito três vezes, além de ter tentado um golpe de Estado em 1992. O referendo que levará 17 milhões de eleitores venezuelanos às urnas daqui a um mês é a segunda tentativa de Chávez de aprovar emendas à Constituição que permitam a reeleição ilimitada. A mesma proposta já havia sido derrotada em dezembro de 2007."Por outro lado, se a maioria de vocês, venezuelanos e venezuelanas, apoiar a emenda dizendo sim, é possível que eu possa continuar à frente do timão além de 2013", afirmou o presidente.Com sua coluna nos jornais, Chávez segue o exemplo do líder cubano Fidel Castro, que publica regularmente suas "reflexões" no jornal Granma, do Partido Comunista de Cuba. A diferença é que os artigos do presidente venezuelano serão publicados três vezes por semana. Chávez já tem um programa de rádio e TV semanal, o Alô Presidente, no qual recebe convidados, canta e lê cartas de fãs.Chávez acusou os opositores de ser "colonialistas, sem juramento, sem projeto, sem bandeira" e disse que, se vencerem, "condenarão o país à invalidez, à pequenez e à tumba histórica".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.