Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Chávez quer partido para respaldar a revolução bolivariana

A constituição de um partido forte na Venezuela que respalde a revolução bolivariana é vital para o êxito do processo, afirmou neste sábado o presidente Hugo Chávez. O presidente fez esta advertência diante de mais de dois mil "promotores" que trabalharão a partir de agora para que o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) seja uma realidade até o fim do ano.Chávez disse que começou uma fase de aprofundamento da revoluçãoque vai "aguçar as contradições" tanto no plano interno como nasrelações internacionais.O presidente ratificou a "urgente necessidade de dispor de umpartido forte", para que a revolução não seja detida."Por isso, o império e as classes poderosas começaram a conduzirnovamente as teses do magnicídio, do golpe de Estado, dadesestabilização para conseguir uma intervenção dos Estados Unidosatravés de organismos internacionais para nos converter em um paístutelado", afirmou Chávez."Começaram a reativar com força estes planos aqui e fora daVenezuela", acrescentou.Chávez voltou a convidar seus aliados do Partido Comunista daVenezuela (PCV), do Pátria Para Todos (PPT) e do Podemos a seintegrarem no novo "grande partido socialista e revolucionário". Lembrou a eles que, se ficarem de fora, se transformarão em cascas de ovos vazias e terminarão sendo vítimas de desvios como o "reformismo" ou o "dogmatismo".Democrata e humanistaO líder venezuelano esclareceu que o novo partido não funcionará sob "um pensamento único" nem terá uma tendência "stalinista", mas seráessencialmente democrata e humanista.Ao se referir à política internacional, Chávez explicou que umfator que criará tensões são "os projetos petrolíferos com a China",que têm como meta o fornecimento de um milhão de barris diários até2012."Estes planos vão aguçar as contradições com o império, que não perdeu a esperança de que a Venezuela volte a ser sua colônia. Elesvêem com grande preocupação estes acordos, por isso aumentarão osataques", afirmou.Sobre o presidente americano, George W. Bush, Chávez disse que ele está agora "mais perigoso que nunca", porque entrou na fase final de sua gestão sabendo que é derrotado."Restam a eles dois anos e são capazes de qualquer coisa, porque naquele governo há alguns mafiosos e assassinos, com prontuários criminosos", afirmou, salientando que, se a maioria do povo venezuelano apoiar o governo através do novo partido, as tentativas desestabilizadoras estarão condenada ao fracasso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.