Chávez rechaça sugestão dos EUA para antecipar eleições

O presidente venezuelano, Hugo Chávez, rechaçou sugestão dos Estados Unidos para antecipação das eleições presidenciais como único meio de resolver a crise política institucional da Venezuela. "Essa medida não figura na Constituição", argumentou Chávez em entrevista à rede de televisão CNN. "Não creio que a Casa Branca esteja dizendo ao mundo que a Venezuela tem de romper com sua própria Carta Magna", acrescentou ele.Manifestando "grande preocupação" pela situação venezuelana, o porta-voz do governo americano, Ari Fleischer, havia proposto as urnas como saída para a grave crise. "Torcemos por uma solução eleitoral pacífica, democrática, constitucional e politicamente viável para a questão da Venezuela", insistiu Fleischer.Chávez disse à CNN que não havia tomado conhecimento das afirmações do porta-voz do presidente George W. Bush. "Se ele disse mesmo isso, está equivocado. Precisamos lhe enviar um exemplar de nossa Constituição", insistiu.Chávez enfrenta uma greve geral que hoje entrou pelo 13º dia. A indústria petrolífera, principal fonte de arrecadação do país, está paralisada. Os prejuízos são tão volumosos que ele reiterou ameaça de contratar técnicos e engenheiros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), para reiniciar as exportações.O presidente tem sido alvo de manifestações diárias de protesto. Hoje, o prefeito de Caracas, o oposicionista Alfredo Pena, acusou Chávez de continuar ocupando com tropas militares o QG da polícia local, desafiando sentença da Justiça que determinou a retirada das tropas e devolução do armamento apreendido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.