Chávez recupera-se 'satisfatoriamente', diz ministro

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, recupera-se "satisfatoriamente" e responde "favoravelmente" ao tratamento, três dias após ter sido submetido a uma cirurgia em razão de um câncer, disse ontem à noite o Ministério da Informação do país.

AE, Agência Estado

15 de dezembro de 2012 | 09h53

"A recuperação tem sido lenta, mas progressiva", afirmou o ministro Ernesto Villegas, em breve pronunciamento na TV. Ele disse que Chávez se comunicou com seus familiares mais próximos e enviou saudações ao povo venezuelano.

Chávez foi operado na terça-feira, após anunciar na semana passada o ressurgimento de um tipo não revelado de câncer e que precisaria ser tratado em Cuba. Esta foi a quarta cirurgia a que se submeteu Chávez, de 58 anos, após o anúncio de que tinha a doença, em junho de 2011. O presidente venezuelano revelou, desde então, poucos detalhes sobre sua doença.

A frágil condição de sua saúde levantou a possibilidade de mudança na liderança da Venezuela, que é comandada por Chávez há 14 anos. "Passadas 72 horas da cirurgia, a equipe médica indicou que o paciente está concluindo satisfatoriamente o protocolo pós operatório", disse Villegas.

Um dia antes, o ministro havia informado que Chávez passou por complicações durante a cirurgia e hemorragia, exigindo que a equipe médica adotasse tratamento corretivo. Villegas afirmou que o presidente respondeu de modo favorável ao tratamento aplicado.

Villegas pediu aos venezuelanos que mantenham o presidente em suas orações "para dar-lhe mais força ao comandante Chávez em sua difícil circunstância".

O vice-presidente Nicolas Maduro, o qual Chávez indicou como preferido sucessor se precisar deixar o comando do país, participou de uma cerimônia de oração no Centro Islâmico de Caracas ontem, onde pediu as pessoas de todas as religiões do país, predominantemente católico, que rezem pela recuperação do líder. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Chávezcirurgiarecuperação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.