Chávez retira embaixador venezuelano de Israel

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, informa ter chamado de volta a Caracas o embaixador venezuelano em Israel, para demonstrar sua "indignação" com a ofensiva militar no Líbano. "Ordenamos a retirada de nosso embaixador em Israel", disse o presidente, em discurso transmitido pela televisão, no qual se referiu aos ataques israelense ao Líbano de "genocídio". "Realmente causa indignação ver como o Estado de Israel continua a bombardear, matar... com todo o poder que têm, com o apoio dos Estados Unidos", disse Chávez, depois de uma parada militar no Estado de Falcon.O líder venezuelano já criticou diversas vezes a ofensiva israelense que tem como alvo o Hezbollah, uma guerrilha do sul do Líbano, citando o número crescente de mortes de civis e dizendo que as nações Unidas deveriam agir para deter a violência."É difícil explicar como ninguém faz nada para encerrar este terror", afirmou o presidente venezuelano, cujo governo até recentemente afirmava ter boas relações com Israel.Chávez também criticou o que definiu como uma campanha "incansável" do governo americano para impedir que a Venezuela ganhe um assento no Conselho de Segurança da ONU. Washington apoiou a Guatemala para o assento, afirmando que a Venezuela seria uma perturbação para o Conselho.O líder venezuelano, um aliado próximo do presidente de Cuba, Fidel Castro, falou após sua chegada de um tour internacional pela Argentina, Bielo-Rússia, Qatar, Irã, Vietnã, Mali e Benin. Enquanto esteve no Irã, Chávez descreveu a ofensiva israelense como um "ultraje fascista".A Venezuela possui comunidades de imigrantes árabes e judeus, e o governo insistiu que irá continuar respeitando a comunidade judaica, apesar de sua forte oposição à guerra no Líbano.Texto atualizado às 20h45

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.