Chávez teria sido transferido para a Ilha La Orchila

O deposto presidente da Venezuela Hugo Chávez foi transferido para a Ilha La Orchila, sobjurisdição da Marinha venezuelana, após ser retirado do Forte Tiuna, sede do comando do Exército, denunciou à televisão cubanaMaría Gabriela Chávez, filha do mandatário.A filha de Chávez disse por telefone à televisão de Cuba que soube "de boas fontes" que seu pai foi transferido para La Orchila e foi "coagido, eles o trataram muito mal", indicou.María Gabriela Chávez reiterou também que atransferência ocorreu quando "manifestantes exigiram a libertação de Chávez e denunciaram o golpe de Estado que o derrubou do poder na madrugada de sexta-feira".Familiares do deposto presidente reiteraram que nem Chávez nem seu gabinete renunciaram, ao mesmo tempo em que denunciaram uma "perseguição assassina" aos colaboradores do mandatário afastado.Os filhos dos ministros da Educação, Meio Ambiente, Planejamento e Saúde se solidarizaram com a informação dada nasexta-feira por María Gabriela aos meios de comunicação cubanos,asssegurando que seu Chávez não havia renunciado e, sim, sidovítima de "um golpe de Estado"."Ratificamos que esta informação é correta. Osministros e ministras do gabinete que se conservaram junto aopresidente Chávez até o momento de sua detenção nuncarenunciaram a seus cargos nem o farão pela força", assinalaram.Qualificaram de "perseguição assassina", por parte dasforças de segurança, a promovida ao vice-presidente DiosdadoCabello; ao ex-ministro da Defesa, José Vicente Rangel; aoprefeito de Caracas, Freddy Bernal, e ao destituídoprocurador-geral, Isaías Rodríguez.Também denunciaram buscas em suas casas e "ameaças,maltratos e coações" às famílias de Cabello, aos ex-ministrosdo Interior, Ramón Rodríguez, e ao deputado "chavista" TarekWilliam Saab, "submetidos a asquerosas humilhações". "Responsabilizamos esta fascista Junta de Governo queatualmente ocupa Miraflores por qualquer agressão à integridadefísica e moral da qual forem objeto" os ex-ministros do governoderrubado, advertiram.O comunicado ainda manifesta preocupação pela vida dopresidente deposto, que "continua sendo o presidenteconstitucional da Venezuela e não renunciou".Para saber mais sobre a Venezuela e os recentes acontecimentos que desencadearam a crise política no país acesse o especial Grandes Acontecimentos Internacionais: Venezuela

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.