Chávez trava uma 'grande batalha por sua saúde', diz chanceler da Venezuela

Segundo Nicolás Maduro, Chávez, que permanece hospitalizado, se mantém informado sobre tudo o que ocorre no país

25 de junho de 2011 | 11h55

O chanceler da Venezuela, Nicolás Maduro, confirmou em entrevista ao canal estatal do país que Hugo Chávez trava uma "grande batalha por sua saúde", afirmou neste sábado, 25, o jornal peruano 'El Comercio'.

 

O presidente venezuelano está internado há duas semanas em Cuba e poucas informações foram divulgadas sobre a cirurgia a que foi submetido, devido a um edema em sua pelve.

 

"A batalha que o presidente Chávez está enfrentando por sua saúde deve ser uma batalha de todos, uma batalha pela vida, pelo futuro imediato de nossa pátria. Isso é o que podemos transmitir a todos os nossos compatriotas", disse Maduro.

 

O chanceler disse que acompanhará o presidente venezuelano em sua batalha e que "a grande vitória" sobre a doença será de todo o povo. Maduro disse ainda que Chávez, mesmo hospitalizado, continua no comando do governo e se mantém informado sobre tudo o que ocorre na Venezuela. "O que nos resta é ficar ao lado do presidente".

 

Neste sábado, o jornal 'El Nuevo Herald', de Miami, publicou que o estado de saúde de Hugo Chávez é considerado crítico. Chegou a ser divulgado que o presidente venezuelano estaria com câncer de próstata, mas a informação não pôde ser confirmada pelas fontes do jornal. Elas disseram apenas que o estado é "crítico, complicado" e que a filha de Chávez, Rosinés, e sua mãe, Marisabel Rodríguez, saíram da Venezuela "às pressas" há dois dias, em direção a Cuba, em um avião da força aérea venezuelana.

 

O ministros das comunicações da Venezuela, Andrés Izarra, no entanto, negou a informação por meio de sua conta no Twitter (@IzarraDeVerdad). "O comantante está se recuperando bem de sua operação".

 

Já o secretário executivo da aliança opositora, Ramón Guillermo Aveledo, afirmou que a "falta de transparência e o nervosismo oficial" são os fatores que geram os rumores. "Os governos democráticos oferecem informações médicas, enquanto outros apenas fotos", disse o porta-voz do partido Mesa de la Unidad Democrática (MUD) em comunicado em que deseja uma rápida recuperação para o presidente.

 

Uma fonte ligada aos serviços de inteligência militar venezuelanos, em Caracas, disse nesta sexta ao Estado, por telefone, que não há no Exército, por enquanto, nenhuma movimentação significativa que aponte para complicações irreversíveis do quadro clínico de Chávez. Os quartéis, no entanto, acompanham com atenção a recuperação do presidente.

 

A oposição venezuelana, por seu lado, tem criticado Chávez em razão de sua recusa de passar os poderes para Jaua durante o período de recuperação.

(Texto atualizado às 17h38)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.