Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Chávez veta embaixador americano indicado por Obama

Declarações do diplomata sobre Forças Armadas e FARC irritaram o venezuelano.

BBC Brasil, BBC

08 de agosto de 2010 | 20h36

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse neste domingo que não aceitará o diplomata indicado pelo governo americano para assumir a embaixada dos Estados Unidos no país.

Em seu programa de televisão Alô Presidente, Chávez disse que o diplomata Larry Palmer se comprometeu ao dar declarações na semana passada no Senado americano, onde disse que as Forças Armadas da Venezuela se encontrão com "baixa moral" e se disse "convencido" sobre a presença de acampamentos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) em solo venezuelano.

O presidente venezuelano conclamou Obama a indicar outro embaixador para o país.

"Como você pode crer, Obama, que vou aceitar este embaixador? O melhor é que você o retire. Não insista, ele mesmo se comprometeu. Te peço, ele não pode vir", disse Chávez no programa de televisão.

O presidente venezuelano afirmou que com as declarações de Palmer diante do Senado americano "se romperam todas as regras da diplomacia, metendo-se conosco e, inclusive, com as Forças Armadas, talvez só para buscar o aplauso dos senadores".

Diversos setores

As declarações de Palmer fizeram com que diversos setores na Venezuela criticassem o diplomata antes mesmo de ele começar a trabalhar no país. Palmer havia obtido um aval preliminar do governo venezuelano para atuar em Caracas.

Na semana passada, o Parlamento venezuelano aprovou uma resolução - com voto favorável até mesmo da oposição - condenando as expressões usadas pelo embaixador designado por Washington.

O porta-voz do departamento de Estado americano, Philip Crowley, disse que espera que o incidente não leve a uma repetição do episódio de 2008, quando a Venezuela expulsou o embaixador americano, e os Estados Unidos responderam com a mesma medida.

Os países só voltaram a normalizar as relações em junho de 2009.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.