Chávez volta a dizer que governo dos EUA quer matá-lo

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, reiterou neste domimgo, 4, a possibilidade de um magnicídio contra ele, que seria uma iniciativa do governo dos Estados Unidos. Chávez também classificou de assassino John Negroponte, o atual número 2 do Departamento de Estado norte-americano. "Não tenho nenhuma dúvida de que a tese de magnicídio exista. A quem juraram na Casa Branca como subsecretário de Estado? Um assassino profissional: John Negroponte", disse o presidente venezuelano em uma entrevista ao ex-vice-presidente José Vicente Rangel em seu programa de TV José Vicente hoy, que estréia neste domingo na televisão da Venezuela. Em janeiro, Negroponte disse que Chávez "tentou exportar seu populismo radical" e que "seu comportamento ameaça as democracias da região". Negroponte se expressou assim ao Comitê das Relações Exteriores do Senado norte-americano, que devia ratificá-lo como adjunto da secretária Condoleezza Rice, após sua designação pelo presidente George W. Bush. "Não penso que tenha sido uma força construtiva na América Latina", continuou o então chefe dos serviços de inteligência dos Estados Unidos, que se declarou convencido de que "países como a Bolívia, entre outros, está sob a influência de Chávez".Chávez afirmou neste domingo que os planos de assassiná-lo seriam conduzidos pela CIA, pelo Departamento Administrativo de Segurança da Colômbia (DAS) e a extrema direita colombiana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.