Chavismo amplia domínio sobre municípios, mas perde em Caracas

Com apuração concluída em 77% das cidades, governistas conquistavam 58% das prefeituras em disputa, enquanto a oposição ficava com 18%; no total de votos, o partido de Nicolás Maduro obtinha 44,1% e a oposição alcançava 40,5%

ROBERTO LAMEIRINHAS / ENVIADO ESPECIAL A CARACAS,

09 de dezembro de 2013 | 01h20

O chavismo tinha assegurado, no começo da madrugada desta segunda-feira, 196 das 335 prefeituras em disputa na eleição deste domingo. A opositora Mesa da Unidade Democrática (MUD) havia garantido 53. Outros partidos elegeram 8 prefeitos. A apuração nos 78 municípios restantes estava tão apertada que não havia como declarar um vencedor.

Apesar do maior número de prefeituras conquistadas, o Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) teve de amargar duas derrotas significativas: a primeira, no principal prêmio da rodada eleitoral de ontem, a MUD elegeu outra vez Antonio Ledezma para o governo metropolitano de Caracas; a segunda, teve de assistir à oposição conquistar a prefeitura de Barinas, no quintal político da família de Hugo Chávez. Em termos de voto absoluto, com dois terços dos votos apurados, a diferença entre governo e oposição voltou a se estreitar. O PSUV obteve 44,16% (4.584.477 votos) e a MUD 40,5% (4.252.080).

Diante das muitas interpretações que o resultado das eleições municipais de ontem poderia provocar, o governo venezuelano buscava nas últimas horas dissociar a votação de uma espécie de referendo sobre a administração de Nicolás Maduro. "Ninguém está com o futuro político em jogo aqui. O que está em jogo é o poder nos municípios", disse.

No mesmo pronunciamento, antes de sair para votar, Maduro também advertiu a oposição para que aceite o resultado das urnas – referindo-se veladamente à contestação das eleições presidenciais de 14 de abril, nas quais venceu o opositor Henrique Capriles por apenas 220 mil votos, num universo de 19 milhões de eleitores.

"Faço um chamado aos setores que estão com suas loucuras, conspirando. Baixem o grau de conspiração e pensem no país, que é mais importante do que suas ambições pessoais", declarou Maduro.

Nas últimas semanas, a maior parte dos analistas políticos da Venezuela passou a estimar que a votação municipal seria um termômetro da popularidade de Maduro, após duras medidas adotadas pelo governo para tentar frear a inflação – que passa de 50% nos últimos 12 meses –, o descontrole do câmbio e o aumento dos índices de desabastecimento de produtos básicos, como farinha de milho e óleo de cozinha.

"Não sei por que falam em plebiscito", disse, após a votação, o presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello. "O que pensam? Se vencem a eleição em tal lugar e perdemos em outro lugar, acham que Nicolás se vai?", ironizou. "Que não se ponham loucos."

"A verdade é que o resultado das eleições pode ser interpretado de distintas maneiras, com base em vários critérios", declarou ao Estado o analista e consultor de empresas venezuelano Federico López Carreño. A eleição coincide com o "Dia de Lealdade e Amor ao Comandante Presidente Hugo Chávez". A data foi estabelecida por decreto por Maduro e marca o primeiro aniversário do anúncio do líder bolivariano de que voltaria a Cuba para tratar de seu câncer e no qual nomeou o atual presidente como seu sucessor.

No Colégio 23 de Enero, no bairro de mesmo nome, onde Chávez votava, o movimento era apenas o de eleitores em fila. Embora o grupo chavista Coletivo La Piedrita, que predomina no distrito, tivesse previsto algumas manifestações, elas não ocorreram.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.