Leo Ramirez/AFP
Leo Ramirez/AFP

Chavismo aposta em campanha eletrônica para amplificar mobilização

Opositor Henrique Capriles prefere estratégia de contato direto com o eleitorado

Luiz Raatz / ENVIADO ESPECIAL / CARACAS,

17 Maio 2012 | 20h53

CARACAS - Com poucas aparições públicas, o presidente venezuelano, Hugo Chávez, tem apostado numa "campanha eletrônica" para amplificar a mobilização de sua base para a eleição presidencial de outubro. O opositor Henrique Capriles, por seu lado, adota a estratégia contato direto com o eleitorado, semelhante à qual o próprio Chávez utilizou em sua primeira vitória, em 1999.

Veja também:

link Os cinco dias de silêncio de Chávez

blog NUESTRA AMÉRICA: Ex-presidente da Colômbia vira tema de campanha na Venezuela

link Campanha presidencial na Venezuela é marcada por agressões a jornalistas

Segundo fontes que monitoram a campanha consultadas pelo Estado, esse cenário beneficia Chávez. O presidente, há 13 anos no poder, é o favorito, mesmo em levantamentos feitos por institutos de pesquisa independentes, como o Datanálisis, no qual tem 6 pontos de vantagem sobre Capriles.

"A pré-campanha foi completamente dominada pelo câncer do presidente e por rumores", disse o diretor do instituto, Luis Vicente León. "Como o presidente tem se dirigido aos venezuelanos por meios virtuais, como o Twitter, cabe aos assessores conduzir a campanha."

Outros institutos, frequentemente citados pelos chavistas para exacerbar o favoritismo do presidente, indicam vantagem ainda maior. Além disso, Chávez tem a seu favor a empatia provocada pela doença em uma boa parcela do eleitorado, ainda que esse efeito seja temporário.

A organização da campanha de Chávez está a cargo do Comando Carabobo, grupo formado pelos 27 governadores e candidatos a governos estaduais e batizado em referência a uma das batalhas de independência venezuelana. Ele é chefiado por um ex-presidente do Conselho Nacional Eleitoral.

Atos públicos. Até 1.º de julho, quando começa oficialmente a campanha, a pré-campanha chavista planeja uma série de atos públicos para mobilizar os partidários do governo, segundo a assessoria do Partido Socialista Unificado da Venezuela (PSUV).

"O governo manipula a doença", afirmou o analista Óscar Reyes, consultor do canal estatal TVES. "A recidiva do câncer foi anunciada pouco mais de uma semana após a vitória de Capriles nas primárias da oposição. Desde então só se fala disso."

Na TV estatal e redes sociais, o chavismo aposta no discurso de desespero da oposição diante das pesquisas e na estratégia de colar nos rivais a pecha de antipatriotas.

Desde que voltou de Cuba, na sexta-feira, no entanto, Chávez dirigiu-se aos venezuelanos uma única vez no Twitter. Já Capriles, percorre o país em uma campanha "de porta em porta". O objetivo do opositor é tornar-se mais conhecido no interior. "O risco que Capriles enfrenta com essa estratégia mais tradicional é não conseguir massificar sua mensagem", ressaltou León.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.