Meridith Kohut/The New York Times
Meridith Kohut/The New York Times

Chavista admite à Justiça dos EUA esquema de US$ 1 bilhão em propina

O ex-diretor do Tesouro Nacional da Venezuela, Alejandro Andrade, confirmou a existência de um esquema ilegal de câmbio no país

Jamil Chade, CORRESPONDENTE / GENEBRA, O Estado de S.Paulo

21 Novembro 2018 | 00h40

Um ex-funcionário de alto escalão do governo de Hugo Chávez confessou para a Justiça dos EUA a existência de um esquema ilegal de câmbio que movimentou subornos de mais de US$ 1 bilhão na Venezuela, hoje governada por Nicolás Maduro. Para que o sistema funcionasse, a corrupção atingiu até mesmo o diretor do Tesouro Nacional venezuelano, Alejandro Andrade, chavista que também foi segurança privado de Hugo Chávez nos anos 1990. 

O ex-funcionário do líder bolivariano admitiu os crimes diante da Justiça dos EUA. No centro do caso está o empresário Raul Gorrin Belisario, indiciado por corrupção e lavagem de dinheiro. Por fim, o esquema ainda tinha a participação de Gabriel Arturo Jimenez Aray, dono do Banco Peravia. 

Gorrin, segundo os americanos, pagou mais de US$ 160 milhões em propinas a dois dirigentes do governo venezuelano para garantir transações de câmbio em Caracas a taxas favoráveis. Um dos beneficiados pelo dinheiro era Andrade. O empresário ainda bancou jatos privados, casas, cavalos, relógios e roupas para os chavistas. Para lavar o dinheiro, Gorrin comprou o Banco Peravia, na República Dominicana, ao lado de Jimenez. 

Nos documentos revelados pela Justiça americana, Andrade admitiu ter recebido propinas no valor de US$ 1 bilhão da parte do empresário e de outros suspeitos. Diante da corrupção, ele escolhia esses executivos e bancos para fazer operações de câmbio em nome do governo da Venezuela. 

Como parte da delação, o ex-funcionário de alto escalão do governo de Chávez aceitou o confisco de ativos, casas, carros, cavalos, jatos e contas bancárias no valor de US$ 1 bilhão. Ele será sentenciado no dia 27 de novembro. 

Andrade adquiriu propriedades, ouro, relógios Rolex e veículos Mercedes-Benz graças ao esquema, indicam os documentos. Os casos fazem parte de um amplo esforço dos procuradores federais americanos para reprimir o uso do sistema financeiro dos EUA para lavagem de dinheiro proveniente da corrupção desenfreada na Venezuela.

Andrade foi tesoureiro nacional de 2007 a 2011. Ele e Gorrin fizeram fortuna aproveitando os rígidos controles do câmbio na Venezuela, segundo os documentos.

Os procuradores federais também anunciaram a confissão de culpa de Gabriel Jimenez, um cidadão venezuelano que admitiu ter conspirado com Gorrin e outros para adquirir o Banco Peravia, sediado na República Dominicana, e usá-lo para ajudar a lavar o dinheiro do suborno.

Desde 2003, o sistema de controle de câmbio na Venezuela permitiu a venda de dólares altamente subsidiados por meio de agências de moeda estatais ou leilões do governo. Mas os dólares adquiridos no mercado oficial eram vendidos no mercado negro por valores até dez vezes mais altos, permitindo que autoridades e empresários com boas relações comprassem dólares a preços reduzidos e os revendessem com um enorme lucro.

Andrade recebeu suborno de corretoras para vender títulos denominados em dólar em nome do governo, dizem os documentos. As corretoras mantiveram parte dos lucros e devolveram propinas a ele comprando itens, incluindo 17 cavalos, 35 relógios de luxo, 12 carros e seis casas no sul da Flórida, de acordo com uma lista de propriedades que ele entregou para as autoridades americanas.

Ele também entregou nove contas bancárias nos Estados Unidos e na Suíça, dizem os documentos.

No fim de 2017, Andrade concordou em se declarar culpado de uma acusação de violação da Lei de Práticas de Corrupção no Exterior dos EUA, e nesse mês concordou em entregar os ativos, segundo os documentos obtidos pela Reuters, que estavam lacrados até terça-feira.

Gorrin, que também é dono da seguradora Insurance Life, foi acusado de violar leis anticorrupção nos EUA ao tentar obter contratos para realizar operações de câmbio para o governo venezuelano. 

Entre 2008 e 2017, Gorrin facilitou mais de US$ 160 milhões em pagamentos de suborno a funcionários da tesouraria da Venezuela para ter acesso a transações com moedas, com fundos de contas bancárias suíças, afirmaram os procuradores. Nesta terça-feira, 20, o Departamento de Justiça dos EUA confirmou que Gorrin pagou subornos a Andrade.  O paradeiro de Gorrin é desconhecido. Ele pode  enfrentar uma pena máxima de 45 anos de prisão se for considerado culpado.

Na terça-feira, 20, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, falou que os processos criminais contra ex-autoridades venezuelanas nos EUA são uma tentativa americana de “minar seu governo por meio de sanções financeiras”. O Ministério da Informação venezuelano não respondeu a um pedido de comentário./ COM REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.